SAIBA TUDO SOBRE O FINANCIAMENTO MINHA CASA MINHA VIDA

Minha Casa Minha Vida

O Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) é o principal facilitador do sonho da casa própria e já ajudou milhares de famílias brasileiras. Mas, você sabe como ele funciona? Saiba tudo sobre o financiamento Minha Casa Minha Vida e como usá-lo pra conquistar seu apartamento!

Loja Virtual Tenda
Spotify Blog da Tenda

O que é o Programa Minha Casa Minha Vida?

O que é o programa Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Em resumo, o MCMV é um programa criado pelo Governo Federal ainda em 2009 para facilitar o financiamento dos imóveis, principalmente para famílias que têm renda familiar de até R$ 9 mil reais.

Dessa maneira, através de benefícios como o subsídio, a composição de renda e a possibilidade de uso do FGTS, a compra de casas e apartamentos se torna acessível para pessoas de diversas faixas de renda.

Entretanto, apesar da facilidade para adquirir um imóvel, muitos brasileiros ainda têm algumas dúvidas sobre como o processo funciona. Por isso, confira abaixo todas as condições e informações sobre o financiamento.

Como funciona o financiamento Minha Casa Minha Vida?

O Programa Minha Casa Minha Vida funciona por meio de algumas regras específicas. Antes de tudo, você precisa saber que nenhum banco do governo, seja a Caixa Econômica Federal ou o Banco do Brasil, financia 100% do valor de um imóvel. Mas calma, com o Minha Casa Minha Vida é possível financiar até 90% do valor total. Já os outros 10% são de responsabilidade do comprador.

Do mesmo modo, as parcelas do financiamento imobiliário não podem corresponder a mais de 30% da renda bruta familiar mensal. Ela é a soma dos salários dos familiares envolvidos no financiamento (cônjuge, mãe, pai, filho etc).

Isso porque o banco precisa entender que a sua renda é suficiente para honrar o pagamento das parcelas e ao mesmo tempo não comprometer o seu orçamento. Ou seja, que você não vai cair no endividamento para arcar com o financiamento.

Além disso, o programa tem regras específicas em relação à faixa de renda do comprador, os subsídios disponibilizados pelo governo e os juros das prestações.

Faixas de renda Minha Casa Minha Vida

O MCMV se divide em quatro faixas. Entenda a seguir as vantagens e condições de cada uma delas.

Faixa 1

A Faixa 1 é para famílias com renda de até R$ 1.800 por mês, que poderão financiar um imóvel em até 120 meses, com prestações mensais que vão de R$ 80 a R$ 270 e isentas de juros. Nesse cenário, o imóvel pode ter valor de até R$ 96 mil reais.

Faixa 1,5

A Faixa 1,5 é a chamada faixa intermediária, para famílias com renda de até R$ 2.600. Nesse caso, as taxas de juros são de 5% ao ano e financiamento em até 30 anos. Nessa categoria, também é possível conseguir subsídio de até R$ 47,5 mil reais.

Faixa 2

Já a Faixa 2 é para famílias com renda de até R$ 4 mil, que podem contar com subsídio de até R$ 29 mil. Já as taxas de juros variam de 5,5% a 7% ao ano, enquanto o financiamento pode ser quitado em até 360 meses.

Faixa 3

Por último, existe a Faixa 3, que é para famílias com renda de até R$ 7 mil. Aqui, não é possível conseguir subsídios do governo, mas o programa oferece ótimas taxas de juros, de 9,16% ao ano, as mais acessíveis do mercado.

Vale ressaltar que o valor máximo do imóvel varia também de acordo com o estado ou região.

Benefícios do Programa Minha Casa Minha Vida

Benefícios do Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Já entendeu como funciona o MCMV e quer saber mais sobre como ele pode te ajudar a conquistar o apartamento dos sonhos? Então entenda agora como se aplicam os principais benefícios com que você pode contar ao fazer um financiamento.

Subsídio

Basicamente, o subsídio é um “empurrãozinho” do governo. Para que você consiga comprar um imóvel, ele paga uma parte dele. Funciona assim: imagine que você vai comprar um imóvel de R$ 115 mil, por exemplo. Com o financiamento Minha Casa Minha Vida, você consegue um subsídio do governo de R$ 15 mil. Ou seja, o valor que você terá que pagar pelo imóvel vai ser apenas R$ 100 mil.

Essa quantia opera então como um desconto, usado apenas para comprar uma casa ou apartamento. Na prática, o subsídio reduz o custo do financiamento, deixando as parcelas mais baratas e tornando possível que as famílias com renda mais baixa conquistem uma casa própria.

Para ter direito a esse benefício é preciso ser cidadão brasileiro ou naturalizado no país, ter 18 anos de idade ou mais e não ter nenhum imóvel residencial próprio no seu nome. Ao mesmo tempo, você também não pode ter participado do Minha Casa Minha Vida ou de qualquer outro programa habitacional do Governo Federal.

Composição de renda

Você acha que o seu salário não é suficiente para um financiamento imobiliário? Nesse caso, você pode contar com a composição de renda! Ela é a soma do seu salário com a de outras pessoas da sua família (como um cônjuge ou um filho) ou mesmo até amigos.

Com isso, você não será a única pessoa responsável pelo pagamento do imóvel e, portanto, poderá financiar um valor maior. Imagine, por exemplo, que você ganhe R$1.500,00, o seu cônjuge também e o seu filho de 21 anos ganhe R$1.000,00. Desse modo, a composição de renda familiar ficaria em R$4.000,00, permitindo parcelas de financiamento de até R$1.200,00 reais.

Essa composição ajuda no momento de avaliação de crédito pelos bancos e na aprovação do financiamento, pois garante uma segurança maior de que você será capaz de honrar os pagamentos.

Para participar dessa soma, todos os solicitantes devem ser brasileiros, maiores de 18 anos e não podem ter restrições de crédito, como CPF cadastrado no Serasa, por exemplo. Ainda mais, é importante destacar que o financiamento é um compromisso a longo prazo. Por isso, é fundamental estar seguro em relação a quem será o outro comprador e seu grau de comprometimento com a compra, para evitar problemas no futuro.

Uso do FGTS

Muitas pessoas já sabem que o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço pode ser utilizado para adquirir imóveis. No entanto, existem diversas maneiras de aplicar essa quantia em um financiamento.

Em primeiro lugar, é possível utilizar o FGTS para reduzir o valor das parcelas do financiamento em até 80%. Outra opção é usar a quantia para amortizar o saldo devedor ou então para diminuir o número de parcelas. Ao fazer isso, você diminui a incidência de juros cobrados ao longo das parcelas.

Como você pode fazer, o FGTS pode ser aplicado em diversos momentos de um financiamento imobiliário. Porém, existem também algumas regras para sua utilização. É necessário ter, no mínimo, três anos de trabalho com carteira assinada e nenhum outro financiamento ativo vinculado ao Sistema Financeiro de Habitação.

Se você for um trabalhador autônomo ou avulso, precisará demonstrar uma declaração do órgão gestor ou comprovantes de um sindicato.

Como participar do financiamento Minha Casa Minha Vida?

A maioria das famílias brasileiras pode participar do MCMV, sabia? Quem não pode participar são apenas as pessoas que já receberam benefícios de moradia do governo, já são proprietárias ou estão financiando um outro imóvel, ou então estão com nome no CADIN (Cadastro de Inadimplentes do Setor Público Federal).

Como se inscrever

Para as famílias que se enquadram na Faixa 1, é preciso se inscrever na prefeitura da cidade ou em alguma entidade organizadora para iniciar o processo de seleção. As famílias selecionadas vão ser informadas sobre a data do sorteio das unidades e da assinatura do contrato de compra e venda.

Já as famílias com renda mensal entre R$ 2 mil e R$ 7 mil podem podem participar entrando em contato com a Caixa Econômica Federal ou então de forma individual, procurando uma construtora ou imobiliária. Para isso, só é necessário fazer uma simulação, para saber quanto poderá investir, e levar a documentação para um correspondente da Caixa.

Documentos necessários

Para dar início ao financiamento, é preciso separar alguns documentos, de preferência com antecedência, para você não esquecer de nada. Nossa dica é que você tenha todos os documentos originais e mais uma cópia de cada um deles. Veja abaixo quais são:

  • Documentos de identificação: RG e CPF;
  • Carteira de trabalho (CTPS);
  • FGTS;
  • Comprovante de estado civil (certidão de nascimento para solteiros, certidão de casamento para casados e certidão de casamento averbada para divorciados);
  • Comprovante de residência recente;
  • Declaração de contribuição do Imposto de Renda;
  • Para assalariados: comprovante de renda (holerites) dos últimos 6 meses.
  • Trabalhadores autônomos: extratos bancários ou declaração de Imposto de Renda do último ano no lugar dos holerites para comprovar a renda.

Além disso, se você vai juntar sua renda com a de algum de amigo ou familiar, lembre que é preciso apresentar os documentos de todos os envolvidos no processo!

Mitos e verdades sobre o financiamento Minha Casa Minha Vida

Mitos e verdades sobre o financiamento Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Por sua importância, muitas coisas são ditas sobre o Minha Casa Minha Vida, mas nem tudo é verdade. Pra te ajudar com isso, separamos as dúvidas mais frequentes com as respostas corretas sobre o tema.

Qualquer imóvel pode ser financiado?

Não, isso é um mito. Para que o imóvel seja financiado, é necessário passar por uma avaliação de documentação, que verifica, entre outras coisas, irregularidades e falta de registros, e por uma análise estrutural, para garantir que o espaço está em condições de ser habitado.

Alinda mais, é preciso levar em consideração se o imóvel está disponível para o financiamento, se enquadrando nas regras do Minha Casa Minha Vida que citamos no começo desse artigo.

Pessoas de baixa renda têm prestações menores?

Sim, é verdade. O MCMV foi criado justamente para ajudar famílias de baixa renda a realizarem o sonho da casa própria. Então, tudo o que puder ser feito para facilitar o financiamento, será realizado. Dessa maneira, quanto menor a renda bruta familiar, mais baixas são as taxas de juros e mais alto o valor do subsídio disponibilizado pelo Governo Federal.

O financiamento Minha Casa Minha Vida pode ser feito por qualquer pessoa?

Mito, não é assim que funciona. É preciso se enquadrar em alguma das faixas de renda disponíveis para poder participar do programa. Além disso, é sempre bom lembrar que a Caixa não financia 100% do imóvel, por isso é necessário que se tenha, pelo menos, o valor inicial ou saldo do FGTS para utilizar.

Outro fator é que a pessoa não pode ter restrição de crédito ou alguma pendência com a Receita Federal ou Caixa Econômica.

O MCMV foi substituído pelo Casa Verde e Amarela?

Verdade, o Casa Verde e Amarela é o novo programa de habitação do Governo Federal, que está substituindo o Minha Casa Minha Vida. Porém, não se assuste! Apesar de algumas diferenças, benefícios como subsídio e composição de renda continuam fazendo parte do novo programa. Afinal, o objetivo é o mesmo: fazer com que cada vez mais pessoas realizem o sonho da casa própria!

Agora que você sabe como funciona o financiamento Minha Casa Minha Vida, pode entrar em contato com  quem mais entende do assunto: a Tenda! Conheça nosso Simulador de Financiamento ou aproveite para já dar início a essa conquista na nossa Loja Virtual.

Loja Virtual Tenda
Spotify Blog da Tenda
Autor do Post | Tenda Blog
Escrito por:

Tenda

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

(0) Comentários
Este artigo ainda não possui comentário. Seja o primeiro.
Deixe seu contato

A gente quer compartilhar as novidades primeiro com você.