Guia completo
para conquistar
seu ape.

Baixe grátis



Cadastre-se e fique
por dentro das novidades.





O planejamento financeiro é uma estratégia fundamental para quem deseja juntar dinheiro para comprar imóvel — maneira mais eficiente de conquistar a casa própria e se livrar, de uma vez por todas, do elevado custo do aluguel. Juntar dinheiro para comprar imóvel: existe um período da vida em que esse se torna o principal objetivo. Ainda que não seja algo fácil de se alcançar, não existe nada mais estimulante do que sair do aluguel e realizar o sonho de morar na casa própria. E todos concordam que, quanto mais curto for o financiamento, melhor! Se você tem interesse em aprender a poupar, por meio da organização das despesas e do planejamento dos investimentos, este artigo foi feito para você. Boa leitura!

 

 

Qual é a importância de fazer um planejamento financeiro?

Mais do que evitar situações de aperto — as quais prejudicam a qualidade de vida de toda a família —, fazer um planejamento financeiro é necessário para realizar projetos em médio e longo prazo (como uma viagem ou comprar a casa própria, respectivamente).

A gestão do orçamento doméstico deve ser feita por meio de uma planilha, na qual constem todas as fontes de rendas e de despesas, tanto as contas fixas quanto as pequenas compras do dia a dia, para saber onde, exatamente, o dinheiro é gasto.

Feito isso, quem tem pendências com cartões de crédito deve priorizar seu pagamento ou, ao menos, renegociar as dívidas, em busca de taxas menores.

Com a situação financeira sob controle, é possível traçar estratégias para realizar projetos importantes — independentemente de períodos de crise — e garantir um bom futuro para você e para as pessoas que você ama.

 

Como conseguir juntar dinheiro para comprar imóvel? 

A primeira medida é aprender a economizar seu dinheiro. Para isso, é preciso reduzir, ao máximo, os gastos com itens que não sejam essenciais, ou seja, tudo aquilo que você não consegue viver sem.

Por se tratar de algo subjetivo, a definição do que é, de fato, essencial demanda um pouco de reflexão. Avalie se a manicure, o cineminha, o chope, entre outros “mimos” semanais, são mesmo indispensáveis ou se podem ser suspensos em busca do seu sonho.

Até os gastos no supermercado entram nessa conta. Antes de ir às compras, é preciso ver o que ainda tem na dispensa e planejar a melhor maneira de consumir os alimentos disponíveis, aproveitando-os sem desperdícios.

O mesmo vale para o transporte: se não for possível se deslocar a pé ou de bicicleta (alternativas mais baratas e econômicas), use o transporte público ou compartilhe caronas (rachando o combustível e o estacionamento) para ir e voltar do trabalho.

Também é preciso diminuir as contas fixas (como água, luz e telefonia), por meio do uso consciente e do investimento em tecnologias que ajudem a poupar, como instalar redutores de vazão nas torneiras e trocar lâmpadas antigas por modelos de LED.

É possivél poupar mais do que o valor da entrada? 

Certamente! E o melhor é que, quanto maior a quantia levantada, menor será o tempo de financiamento do imóvel e, consequentemente, os juros cobrados.

Na prática, isso evita que o futuro proprietário passe mais de 30 anos com até 30% da renda familiar bruta comprometida com o pagamento das parcelas. E, então, o esforço vale ou não vale a pena?

Para poupar mais do que o valor da entrada, comprometa-se a guardar um valor fixo da sua renda mensal. Esforce-se para que essa quantia equivalha a, pelo menos, 30% dos seus ganhos brutos.

Afinal, após o recebimento das chaves, você terá que arcar com as despesas com escritura e documentação, como o Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), as quais correspondem a cerca de 4% do valor do imóvel.

Como tirar proveito de períodos de tranquilidade financeira? 

Quem mora com os pais, não tem pressa para sair de casa e não precisa pagar aluguel deve aproveitar para poupar ainda mais.

No entanto, os jovens não devem se limitar a deixar o valor arrecadado na poupança. O ideal é aplicá-lo em fontes de investimento mais rentáveis e se capitalizar antes de contratar um financiamento.

O raciocínio é simples: enquanto em uma dívida (no caso, o financiamento imobiliário) é preciso pagar juros para o banco, em um investimento é você quem recebe os juros.

Como não é necessário muito dinheiro para começar a investir, a escolha do investimento ideal deve considerar o tempo que o poupador pode esperar para fazer o resgate. Por exemplo:

  • até um ano: pode-se aplicar em Certificados de Depósito Bancário (CDBs) de bancos pequenos e médios, em Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) ou em Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs);
  • de dois a três anos: pode-se aplicar em CDBs de bancos pequenos e médios, Letras de Câmbio (LCs) e fundos de crédito privado;
  • acima de três anos: pode-se aplicar no Tesouro IPCA+, cujo vencimento será em 2024.

Por isso, vale a pena esperar o momento certo, juntar dinheiro para comprar imóvel e só entrar em um financiamento quando reconhecer uma boa oportunidade.

Comprar imóveis pode ser considerada uma forma de investimento?

No contexto atual, com a queda da inflação, a recuperação econômica e os estoques das construtoras ainda cheios, comprar imóveis voltou a ser uma boa forma de investimento. O importante é juntar o máximo de dinheiro e barganhar!

Para quem conhece o valor do seu esforço e sabe quantas horas de trabalho são necessárias para pagar um financiamento imobiliário, nada melhor do que aderir a um programa com juros menores e parcelas decrescentes, como o Minha Casa Minha Vida.

Assim, ainda que a maioria das pessoas não consiga efetuar o pagamento à vista, juntar dinheiro para comprar imóvel é algo possível e altamente recomendável. Além de diminuir o prazo do financiamento, o hábito de economizar reflete, positivamente, no futuro da família — que se sente capaz de realizar todos os seus sonhos.

Se você gostou deste conteúdo e quer acompanhar outras dicas sobre o universo imobiliário, curta a nossa página no Facebook!

Composição de renda: como utilizar para o financiamento imobiliário?

Composição de renda: como utilizar para o financiamento imobiliário?

Minha Casa Minha Vida

A composição de renda pode ser a solução para quem deseja financiar um imóvel! Veja como usá-la no financiamento imobiliário e entenda como ela funciona. Na hora de financiar um imóvel é preciso demonstrar a capacidade de pagamento das prestações. No entanto, dependendo dos ganhos, é difícil ter a aprovação com apenas um salário. Por isso, é comum que membros da família adotem a composição de renda.

6 passos para conquistar a casa própria antes de se aposentar

6 passos para conquistar a casa própria antes de se aposentar

Minha Casa Minha Vida

Comprar um imóvel e não depender mais de aluguel é a grande meta na vida de muitos brasileiros. Conquistar a casa própria não representa apenas a realização de um sonho, mas é, também, sinônimo de mais estabilidade financeira e segurança. Mesmo estando nos planos de muita gente, conquistar a casa própria antes de se aposentar nem sempre é fácil. Realizar esse objetivo exige disciplina, controle dos gastos, uma poupança de emergência e um planejamento financeiro em longo prazo. Além disso, é necessário que o objetivo seja adequado à sua realidade e coerente com seu salário.

Estabilidade financeira: o guia completo para conquistar

Estabilidade financeira: o guia completo para conquistar

Minha Casa Minha Vida

Quer saber como se organizar e manter seu orçamento saudável? Preparamos um guia completo, cheio de dicas para você alcançar sua estabilidade financeira. Confira!

Conheça as condições TENDA para dar entrada em um apartamento

Conheça as condições TENDA para dar entrada em um apartamento

Minha Casa Minha Vida

Uma das maiores construtoras do País, a Tenda oferece ajuda de profissionais especializados para você conseguir ter seu financiamento imobiliário aprovado pelos bancos. Saiba neste texto como driblar a burocracia!

Acabamento da obra: o que é responsabilidade do novo proprietário?

Acabamento da obra: o que é responsabilidade do novo proprietário?

Minha Casa Minha Vida

A entrega das chaves é a hora mais aguardada pelos compradores assim que fazem a aquisição do apartamento dos sonhos. Contudo, o imóvel novo não é entregue totalmente pronto para morar, por isso, uma parte do acabamento da obra se torna necessária à funcionalidade da residência.

O que está incluso no valor do condomínio? Leia e entenda!

O que está incluso no valor do condomínio? Leia e entenda!

Minha Casa Minha Vida

Adquirir uma propriedade, além de trazer mais segurança e bem-estar para a família, também significa ter alguns custos extras por mês. O principal deles é a taxa condominial. Saiba o que compõe o valor do condomínio!
Todos os direitos reservados Tenda
CPNJ: 09.625.762/0001-58