Entenda quais são as funções de um síndico profissional

Morar em Condomínio

A figura do síndico profissional surgiu para atender aos prédios de maior porte, que exigem agilidade na tomada de decisões, otimização dos recursos e conhecimento aprofundado sobre gestão e legislação de condomínios, além de uma postura imparcial. Entenda!

Loja Virtual Tenda
Spotify Blog da Tenda

Quem mora em prédio sempre se questiona sobre como escolher um síndico de condomínio realmente competente. Nessa hora, surge a dúvida: é melhor um síndico morador, presente no dia a dia, ou um síndico profissional, com perfil mais técnico. A decisão não é simples, pois precisa considerar as necessidades do condomínio, bem como a sua condição financeira.

Para facilitar a análise, vamos mostrar as atribuições de um síndico contratado — figura cada vez mais presente em residenciais com diversas unidades. Continue a leitura e conheça os seus diferenciais!

Entenda as funções de um síndico profissional

Ao assumir um trabalho, o síndico profissional responde por diversas obrigações, as quais constam no Código Civil Brasileiro. Além de representar o condomínio legalmente, as suas principais funções são:

  • convocar assembleias;
  • definir o orçamento (receitas e despesas) anual;
  • cuidar da contabilidade mensal;
  • trabalhar em parceria com o conselho fiscal (grupo de moradores eleito em assembleia);
  • pagar contas e obrigações trabalhistas;
  • prestar contas (sobre o andamento de obras, encargos etc.) periodicamente e quando exigido;
  • pesquisar, contratar e supervisionar diversos prestadores de serviços;
  • fiscalizar o trabalho da administradora;
  • informar sobre problemas judiciais e/ou administrativos;
  • zelar pela preservação das áreas de uso comum;
  • agendar a manutenção dos elevadores, dos itens de segurança predial, entre outros equipamentos;
  • verificar a periodicidade de recarga dos extintores, cuidando para que estejam sempre em dia;
  • programar a limpeza e a pintura das fachadas;
  • realizar obras e reformas, sejam elas urgentes, úteis ou “estéticas”;
  • fazer uma apólice de seguro para o prédio;
  • atualizar o inventário de bens do condomínio;
  • cobrar as taxas condominiais e demais contribuições, evitando a inadimplência;
  • aplicar advertências e multas, quando necessário;
  • fazer com que se cumpram as normas da Convenção de Condomínio;
  • elaborar (caso não exista) e fazer valer o Regimento Interno do Condomínio;
  • assegurar o cumprimento das decisões tomadas em assembleias;
  • procurar manter a harmonia e o bom relacionamento entre os moradores;
  • atualizar o cadastro de moradores.

Síndico morador x síndico profissional

Comparar as atribuições de um síndico morador frente a um síndico profissional é a melhor forma de descobrir qual é o perfil mais indicado para o seu condomínio. A seguir, veja por que as diferenças vão muito além do custo extra na folha de pagamento.

Quais são as características de um síndico morador?

O síndico morador é um proprietário que assume (após ser eleito em assembleia) a função de síndico do condomínio em que reside. Dessa forma, está naturalmente presente no seu dia a dia.

Trata-se de uma figura comum em prédios antigos e pequenos. Geralmente não dispõe de muito tempo para resolver todas as demandas, tanto que, para dar conta do serviço, alguns recorrem à assessoria da administradora de condomínio.

De fato, muitas vezes o morador se candidata a síndico visando as bonificações (como a isenção da taxa condominial e, em alguns casos, uma ajuda de custo), com o intuito de aliviar o orçamento familiar. Em contrapartida, não atenta às responsabilidades — ou sequer tem preparo suficiente.

Porém, uma vez investido no cargo é preciso exercer a função de forma apropriada. Do contrário, fica sujeito a responsabilizações legais, nas esferas civil, criminal, tributária, fiscal, trabalhista e ambiental.

Quais são as características de um síndico profissional?

O síndico profissional não mora no condomínio, o que faz com que tenha um relacionamento imparcial para com moradores e funcionários. Isso facilita a resolução de problemas e a tomada de decisões.

Por outro lado, o fato de ser terceirizado gera um encargo a mais na folha de pagamento do condomínio — em que já existem gastos com portaria, segurança, limpeza e manutenção. Porém, por ser um gestor capacitado, muitas vezes ele reduz custos em diferentes esferas, “compensando” o seu salário.

Apesar de não estar presente no condomínio, pode ser contactado facilmente, via e-mail ou telefone. Além disso, coloca-se à disposição para reuniões agendadas, sempre que solicitadas.

Mas diferentemente do síndico morador, que atua de modo mais parecido com um zelador, para que o síndico profissional fique a par dos problemas cotidianos, ele precisa ser comunicado. Se ninguém os apontar, eles simplesmente continuarão.

Vantagens de contratar um síndico profissional

Quem vive em condomínios com diversos apartamentos sabe o quanto um bom gerenciamento é necessário para mantê-lo funcionando em sua plenitude, visando o bem-estar comum. Nesse tipo de empreendimento, contratar um síndico faz toda a diferença.

No entanto, é normal que os condôminos fiquem em dúvida se o investimento valerá mesmo a pena. Para ajudar, veja algumas vantagens de contar com um síndico profissional e tire as suas conclusões:

  • é mais fácil para os condôminos exigirem e cobrarem uma gestão de qualidade;
  • evita que o cargo se torne “vitalício” (o que é comum quando um único morador se dispõe à função);
  • tem conhecimento técnico, com formação em administração e/ou direito e especialização em gestão de condomínios;
  • é imparcial e transparente, o que facilita as cobranças quanto ao cumprimento das normas do condomínio;
  • tem capacitação para lidar com funcionários e prestadores de serviços terceirizados (numerosos em residenciais de maior porte);
  • tem uma rede de contatos de confiança, com pedreiros, pintores, eletricistas, encanadores, bombeiros, montadores de móveis, entre outros profissionais;
  • coloca-se a disposição para plantões (semanais, quinzenais ou mensais, conforme a necessidade dos moradores);
  • consegue dar uma atenção especial para cada área do condomínio, sem deixar nada em segundo plano.

Fatores que indicam que a contratação é necessária

Todo condomínio precisa de um síndico. Afinal, morador ou profissional, ele será o responsável por gerenciá-lo. Porém, alguns fatores tornam a contratação de um especialista indispensável. Por exemplo:

  • a existência de vários apartamentos, o que complica o exercício da função e exige o uso de ferramentas específicas, como softwares de gestão financeira;
  • a ausência de moradores interessados na posição, seja por falta de tempo, de conhecimento e/ou por receio das responsabilizações legais as quais quem assume o cargo fica sujeito.

Por fim, condôminos que optarem pela contratação de um síndico profissional podem fazê-la por intermédio da administradora. Como mostrado, trata-se de um trabalho com diversas funções e que exige muita responsabilidade — ao mesmo tempo em que é preciso ter paciência e jogo de cintura para lidar com diferentes tipos de pessoas e resolver conflitos. O mais importante é que o escolhido zele pelo patrimônio e pelos interesses dos moradores.

E então, o post ajudou a esclarecer as suas dúvidas? Para saber mais sobre o universo dos condomínios, assine a nossa newsletter!

Loja Virtual Tenda
Spotify Blog da Tenda
Autor do Post | Tenda Blog
Escrito por:

Tenda

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

(0) Comentários
Este artigo ainda não possui comentário. Seja o primeiro.
Deixe seu contato

A gente quer compartilhar as novidades primeiro com você.