O guia completo para quem vai comprar o primeiro apartamento – Tenda



Cadastre-se e fique
por dentro das novidades.





Comprar o primeiro apartamento é o sonho de muitas pessoas. Contudo, essa não é uma tarefa simples. Por ser um investimento de alto valor, exige bastante planejamento para que o negócio seja sustentável ao comprador.

Comprar o primeiro apartamento é o sonho de muitas pessoas. Contudo, essa não é uma tarefa simples. Por ser um investimento de alto valor, exige bastante planejamento para que o negócio seja sustentável ao comprador.

É fundamental estudar para decidir a melhor possibilidade, levando em consideração a localização, se o orçamento viabiliza a compra de um apartamento novo ou se vale mais a pena optar pelo usado, o número de domitórios necessários, a metragem, entre outros pontos.

No fim das contas, além da aquisição do imóvel, você também terá que desembolsar uma quantia de dinheiro para a compra de móveis e eletrodomésticos do dia a dia. Lembre-se: toda conquista tem seus custos e nós estamos aqui para colaborar com o seu sonho.

Neste guia, vamos apresentar dicas essenciais ao seu planejamento. Confira!

Defina o orçamento

Essa é uma etapa indispensável! Elabore uma estimativa de todas as despesas necessárias para a compra do primeiro imóvel, em comparação com o seu rendimento mensal. Essa conta contribui com a sua organização financeira.

Nem sempre é possível pagar o valor de um imóvel à vista, principalmente se for o primeiro. Nessas situações, financie sem medo. Contudo, caso seja viável, economize ao máximo para dar uma entrada mais alta e financiar um valor mais baixo.

Inclusive, algumas construtoras, como a Tenda, têm a vantagem de possibilitar o parcelamento da entrada em até 60 meses.

Para evitar dores de cabeça no futuro, pense que enquanto viver no próprio imóvel terá outras despesas. Desse modo, tenha cautela quanto ao valor das parcelas de financiamento. O ideal é que elas comprometam até 30% da renda líquida. Inclusive, é possível realizar a composição de renda nessa etapa.

Como funciona a composição de renda?

Cada banco tem a sua própria regra quanto à composição de renda para o financiamento imobiliário. No geral, não costumam impor tantas restrições, possibilitando que parentes de primeiro grau, além de cônjuges, namorados, enteados, padrastos, madrastas, sogros e amigos possam colaborar com a renda.

Escolha a melhor instituição financeira

Atualmente, muitos bancos apresentam oferecem esse tipo de financiamento, por essa razão, o comprador deve analisar com responsabilidade as condições disponíveis, seja um financiamento realizado junto com a construtora, seja com o banco, para escolher a opção que melhor condiz com a sua situação.

Financiamento diretamente com a construtora

Geralmente, esses financiamentos são de curto prazo e a parcela fica mais alta. Embora a construtora não cobre juros durante o período de construção, ela permite correções mensais aplicando o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), do qual passa a ser cobrado logo após a assinatura do contrato.

Depois da entrega das chaves, é efetuada uma taxa de juros de aproximadamente 1% mensal, na qual os valores são ajustados conforme o Índice Geral de Preços — Mercado. Já para a amortização, é utilizada a tabela PRICE, garantindo que todas as prestações tenham o mesmo valor.

Financiamento com o banco

No financiamento imobiliário feito com um banco, a taxa de juros mensal de quase 12% também é empregada, todavia, a correção da dívida é realizada por meio da Taxa Referencial (TR).

Um benefício de financiar o primeiro apartamento com uma instituição financeira é a possibilidade de usar o FGTS para ajudar no valor da entrada do imóvel, enquanto o financiamento com uma construtora apenas permite seu uso para amortizar ou quitar a dívida.

Além de tudo, fique atento à tal “fidelização bancária”. Ocasionalmente, em troca de uma taxa mais baixa, o banco determina que o cliente aceite algum pacote de serviços que não valem a pena. Assim sendo, tenha consciência de que os bancos públicos têm taxas mais favoráveis.

Financiamento por meio do minha casa minha vida

Com a menor taxa de juros disponível no mercado, o Programa Minha Casa Minha Vida gera muitas oportunidades para famílias com renda de até R$ 9.000 adquirirem o primeiro imóvel. Essa iniciativa concede crédito de longo prazo, pelo qual pode ser quitado em até 30 anos. Além disso, como as prestações cabem no bolso dos moradores, essa forma de financiamento é um grande benefício para você que deseja sair do aluguel o mais breve possível.

Para participar do Programa, é necessário que as famílias façam parte de uma das faixas do Minha Casa Minha Vida, como:

  • Faixa 1: famílias com rendas de até R$ 1.800,00 devem se cadastrar nas prefeituras das cidades em que moram e os valores dos imóveis variam de um município a outro. Quanto ao subsídio, é possível alcançar até 90% da cotação da moradia, com isenção de juros e 120 prestações mensais;
  • Faixa 1,5: famílias com rendas de até R$ 2.600,00. Para esse grupo, o limite de subsídios são de R$ 47.500. Nessa faixa, a taxa de juros é, em média, de 5% ao ano;
  • Faixa 2: famílias com renda de até R$ 4.000,00, nos quais os subsídios são de até R$29.000 e a taxa de juros varia entre 5,5% e 7% ao ano, conforme o salário da família e a localização do imóvel;
  • Faixa 3: famílias com renda de até R$ 9.000,00. Nesse caso, não há subsídios, contudo, as taxas de juros são mais baixas que a do mercado, isto é, cerca de 8,16%.

Como utilizar o FGTS na compra do apartamento?

Você já deve saber que é possível comprar um imóvel utilizando o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, não é mesmo? Contudo, é necessário conhecer as condições de uso desse benefício para não haver desilusão.

Basicamente, o FGTS é uma obrigação que as empresas têm com seus colaboradores, funcionando como uma reserva de dinheiro ao trabalhador e uma forma de financiar obras relacionadas à infraestrutura. Dessa forma, 8% do salário dos funcionários são depositados em uma conta na Caixa Econômica Federal.

A utilização do FGTS requer o cumprimento de certas regras, por exemplo:

  • ter, no mínimo, trabalhado durante três anos com carteira assinada. Sendo que esse período não precisa ser consecutivo;
  • não ter outro financiamento ativo no país;
  • é proibido dispor de dois imóveis próprios no mesmo município;
  • inclusive, é necessário que o comprador trabalhe ou more no município do qual pretende adquirir o apartamento.

Quanto à finalidade do imóvel, deve ser apenas para a moradia da família. Desse modo, não é possível usar o FGTS para comprar uma sala comercial ou qualquer tipo de empreendimento corporativo. No entanto, há outras formas de utilizá-lo em seu financiamento.

Redução os valores das parcelas

As prestações do financiamento podem ser reduzidas em até 80% por até 12 meses consecutivos, com a possibilidade de redução anual. Sendo assim, se você passar por um momento de instabilidade financeira consegue utilizar o dinheiro do FGTS para reduzir o valor pago mensalmente e aliviar o peso das contas.

Amortização do valor do imóvel

Se o FGTS for usado para amortizar o saldo devedor mesmo mantendo o tempo de financiamento, o valor da parcela cairá consideravelmente. Essa é uma excelente ideia aos que pensam nas despesas futuras e se organizam para poupar no valor das parcelas.

Diminuição do período de financiamento

Dependendo do seu estilo de vida, essa pode ser uma vantagem. Afinal, com a diminuição do número de parcelas, o valor continua o mesmo. Em contrapartida, não sofrerá com a ocorrência de juros e taxas administrativas cobradas pelo banco.

Despesas importantes

Ter o próprio canto para desfrutar com a família é sinônimo de liberdade. Porém, ao manter a casa própria, é necessário ter em mente que isso também significa ter contas a pagar.

Prestação do financiamento

Essa é a principal despesa. Como é um desembolso fixo do qual envolve, pelo menos, 30% da renda líquida familiar, é imprescindível estar apto para a quitação. Uma dica é pagar as prestações assim que receber o salário, pois isso o deixará livre para administrar o restante do rendimento com outras despesas.

Condomínio

Aos que pretendem adquirir um apartamento, esse custo mensal é inevitável. É indicado acrescentá-lo na categoria de gastos essenciais, assim como as parcelas do financiamento. Isso facilitará a sua organização na hora do pagamento e evitará possíveis atrasos.

Luz, gás e água

Embora os três gastos sejam fixos, cada um deles pode variar no valor. Sendo que, normalmente, a conta de luz é a mais cara. Portanto, procure economizar em casa o máximo que puder com pequenas ações:

  • retire equipamentos eletrônicos das tomadas quando não estiver utilizando;
  • substitua lâmpadas incandescentes pelos modelos fluorescentes;
  • reduza a potência do chuveiro;
  • defina dias para lavar roupas, juntando uma quantidade maior de peças;
  • utilize a secadora de roupas o mínimo possível.

Com relação ao gás, muitos apartamentos contam com sistema encanado. Tendo em vista a ocorrência de possíveis acidentes, dê preferência ao uso de fogões mais modernos, que vazam menos gás, e sempre feche seu registro assim que terminar de usar.

Já a conta de água dos apartamentos é relativa: alguns condomínios dividem entre todos as famílias, embora os mais modernos apresentam cobrança individual. Em todo caso, vale economizar diminuindo o tempo de banho, usando as funções mais rápidas da máquina de lavar e instalando um sistema de descargas econômicas.

Internet e tv a cabo

Muitas operadoras de internet também são provedoras de TV a cabo, em consequência, as contas são direcionadas ao mesmo pacote. O indicado é pesquisar entre diversas empresas diferentes e adquirir canais que a família realmente assista, além da velocidade de internet que mantenha o bom desempenho das tarefas de todos os usuários.

Inclusive, nunca se esqueça de ler atentamente as condições antes de assinar o contrato. Algumas marcas oferecem promoções com preços acessíveis para velocidades de conexões altas somente nos primeiros meses, prejudicando o andamento do sinal de rede.

Manutenção da casa

Manter uma casa gera algumas despesas que podem ser variáveis. O adequado é estabelecer uma meta mensal e desdobrá-la em metas semanais para gastar em estabelecimentos como supermercado e farmácia.

Desse jeito, será mais simples estipular o orçamento da semana para as despesas, como alimentação, produtos de limpeza, higiene, remédios e outros serviços necessários.

Móveis e eletrodomésticos

Considere que, caso esteja se mudando para morar em uma residência não mobiliada, será necessário investir na aquisição desses elementos. Uma sugestão essencial é pesquisar em diversos locais antes de comprar.

Compare preços na internet, negocie descontos e aproveite a temporada de preços baixos que costuma surgir após os feriados, por exemplo.

Lembre-se das despesas surpresas

Se você deseja comprar uma casa ou um apartamento, além do valor de aquisição, existem outras despesas que envolvem a regularização da documentação, pagamento de impostos, mudanças, entre outras responsabilidades. Por isso, é importante se planejar financeiramente com antecedência se quiser investir em um imóvel.

ITBI

O Imposto de Transmissão de Bens Imóveis é uma taxa que o comprador paga para a prefeitura da cidade, pertinente à compra de uma residência. O valor costuma ser de até 2% do preço do imóvel. No entanto, em alguns casos, a Construtora Tenda poderá pagar esse valor pelo comprador.

Para saber o quanto será cobrado, é necessário conhecer a precificação do mercado e o valor de transação. Em geral, o ITBI é calculado a partir do preço de mercado, contudo, pode variar de um município para outro.

Escritura pública

Essa despesa será aplicada apenas às aquisições realizadas à vista, por meio de valores que variam de acordo com cada estado e o custo da moradia. No caso dos apartamentos financiados, o contrato proposto pela instituição financeira já servirá como documento.

Registro do imóvel

O registro é enviado pelo cartório da cidade e comprova que o comprador é realmente o proprietário do apartamento perante a lei. Seu custo representa a somatória de diversas taxas que variam conforme o estado.

Para não ser surpreendido com um valor inesperado, procure saber como é calculada essa taxa em seu estado. Vale ressaltar que, assim como a taxa de ITBI, a Construtora Tenda está apta a saldar esse valor para o comprador, em determinadas situações também.

Taxa de avaliação

Frequentemente, é essencial realizar uma vistoria no local para analisar seu real valor. Essa verificação é cobrada segundo a tabela do banco escolhido para desenvolver o trabalho.

Mesmo que a transação não seja efetivada, vale destacar que o valor não será restituído, por isso, se o comprador contar com esse serviço, é importante preparar as finanças.

Lembrando que a taxa de avaliação apenas será paga aos compradores que decidirem adquirir um imóvel usado. No caso dos apartamentos novos, como os da Construtora Tenda, o comprador não terá essa despesa.

Taxa de corretagem

A taxa de corretagem é solicitada quando a transferência do apartamento é intermediada pela imobiliária ou pelo corretor de imóveis. Essa taxa equivale a 6% ou 8% do valor da aquisição, segundo o CRECI (Conselho Regional de Corretores de Imóveis). Contudo, vale destacar que a Construtora Tenda não cobra essa taxa.

Reparos e reformas

Mesmo que o imóvel seja novo, muitas vezes será indispensável efetuar algumas reformas no apartamento para adaptar a residência às necessidades da família. Além de reservar parte do orçamento aos possíveis reparos, é recomendado estimar outros gastos, como a própria mudança e a compra de móveis novos.

Defina suas necessidades

As necessidades primordiais geralmente são a escolha entre um apartamento mais compacto ou amplo, número de quartos, localização, faixa de preço e outras características importantes. Há um tempo, adquirir uma residência era uma prática definitiva. Contudo, uma simples troca de emprego é motivo suficiente para deslocar a família para outro bairro ou cidade hoje em dia.

Por isso, antes de escolher o apartamento ideal, considere seus objetivos pessoais, familiares e profissionais para os próximos cinco anos. Esse raciocínio o ajudará a definir tanto a melhor estrutura quanto o local mais indicado para viver.

Depois disso, busque pelo modelo mais apropriado ao estilo de vida da família. Sendo assim, caso tenha filhos ou pretenda ter em breve, escolha um imóvel com um número de quartos confortável.

Se tem animais de estimação, busque locais que permitam gatos, cachorros e outros animais. Pretende montar uma horta? Procure um local que bata sol durante um período do dia. Todos os apartamentos terão pontos positivos e negativos, conheça as prioridades da sua família e invista no mais adequado para vocês.

Apartamento novo ou usado?

Saiba que essa escolha interferirá, em médio ou longo prazo, na vida financeira da família. Por isso, deve ser discutida antes da busca pelo imóvel dos sonhos.

Considerando que um apartamento usado costuma ser mais acessível no primeiro momento, a decisão pelo apartamento novo evita desembolsos periódicos com reparos ou pequenas reformas. Entretanto, dependendo do valor de entrada, as parcelas de financiamento dos imóveis novos serão mais altas.

Pesquise sobre as construtoras

Buscar uma construtora de confiança é imprescindível para esse momento tão importante na vida da sua família. Portanto, não hesite em estudar o passado da empresa, pesquise sua história na internet e nas redes sociais, converse com amigos, colegas de trabalho e qualquer outra pessoa que tenha tido uma experiência com a construtora.

Além disso, visite seus empreendimentos já construídos e busque pelos seus diferenciais. É provável que existam inúmeras construtoras em sua cidade, porém, somente algumas se destacam por suas características e iniciativas que as tornam mais reconhecidas. Como é o caso da Construtora Tenda, que tem mais de 48 anos de mercado e já entregou mais de 95 mil apartamentos em todo o país.

Escolha o bairro correto

Ter o benefício de viver próximo às principais vias de acesso e ao transporte público facilita o deslocamento de todos os membros da família pela cidade. Desse modo, é viável escolher morar em bairros mais distantes, mas que contem com uma estrutura que possibilite que você chegue rápido e facilmente ao seu destino.

Guarde dinheiro

Comprar o primeiro apartamento é uma das decisões mais importantes na vida de uma pessoa, por isso exige planejamento. Ainda que o imóvel seja adquirido por meio de um financiamento, a dívida comprometerá parte da renda familiar.

Desse modo, é sempre bom estar preparado para dar uma boa porcentagem na entrada e não precisar financiar mais de 50% do valor da residência. Por isso, se você tem a intenção de sair do aluguel, é fundamental ter disciplina e criar estratégias para juntar dinheiro e investir no próprio imóvel.

Planejamento financeiro

A primeira coisa a ser feita é definir as metas em curto, médio e longo prazo. Caso opte pelo financiamento imobiliário, quanto você pretende dispor para dar de entrada? Identificando o valor, estabeleça um cronograma com prazos.

É interessante que suas metas sejam revisadas periodicamente. Essa análise torna os propósitos mais realistas, mesmo porque, no momento em que estamos elaborando uma lista, somos capazes de nos empolgar e acrescentar objetivos irreais.

Criar metas inalcançáveis pode abalar a sua motivação na hora de economizar. Apesar de alguns sacrifícios serem imprescindíveis, reduzir sua qualidade de vida durante o processo de realização de um sonho não é o ideal.

Para não se perder, crie um histórico mensal do seu controle financeiro. Esse registro permite que você avalie a sua evolução econômica, previna-se contra imprevistos e analise a origem de aumentos ou diminuições das despesas ao longo dos meses.

Redução de gastos

Diminuir as idas aos bares, as refeições em restaurantes e as compras desnecessárias é inevitável quando o principal intuito é a aquisição de um imóvel. Saiba que esses sacrifícios são momentâneos e que, futuramente, sua qualidade de vida progredirá novamente. Contudo, durante o processo de poupar dinheiro, esses gastos deverão ser reavaliados.

E, como já falamos, para colaborar com a economia, minimizar o consumo de energia por meio de banhos menos demorados, desligar as lâmpadas de cômodos não utilizados e aproveitar a ventilação e a iluminação natural dentro de casa são pequenas atitudes que aliviam o bolso no final do mês.

Investimentos

Saber investir o seu dinheiro garante ótimos rendimentos. O mercado financeiro conta com diversas forma de investimento, como a caderneta de poupança, a opção mais tradicional.

Outra opção é o Tesouro Direto, que proporciona rentabilidade maior por meio de compra de títulos públicos federais em uma plataforma digital. O que chama atenção nessa modalidade é o baixo custo.

Saiba quais documentos são necessários

Depois de passar por todas as etapas para escolher sua futura residência própria, chegamos à fase final: a documentação. Na efetivação de uma aquisição, alguns documentos serão necessários para assegurar os seus direitos na compra do apartamento. São eles:

  • extrato do banco;
  • declaração do Imposto de Renda;
  • CPF e RG;
  • comprovante de renda;
  • comprovante de endereço atual.

As exigências variam de acordo com a forma de pagamento e a instituição financeira escolhida. Entretanto, no geral, a relação de documentos abrange as condições de diversos bancos e outras instituições, principalmente na aquisição de um imóvel por meio do Programa Minha Casa Minha Vida.

No caso de haver composição de renda, é importante salientar que todos os que estão compondo o financiamento devam apresentar os mesmos documentos, inclusive, não terem seu nome sujo.

Agora que você entendeu melhor sobre como comprar o primeiro apartamento, já pode entrar em contato com a gente e conhecer as opções de imóveis que oferecemos para garantir a qualidade de vida que você sempre sonhou para a sua família. Acesse agora mesmo o nosso site!




Todos os direitos reservados Tenda 2019
CPNJ: 09.625.762/0001-58