Guia completo sobre financiamento de imóvel – Tenda



Cadastre-se e fique
por dentro das novidades.





O termo “financiamento imobiliário” refere-se a uma linha de crédito de longo prazo, destinada à aquisição de uma casa ou de um apartamento. Ela é oferecida por instituições financeiras e bancos, sejam públicos, sejam privados, e permite o parcelamento de imóveis novos e usados, em construção ou terreno, para fins habitacionais ou até mesmo de comércio.

1. Introdução

O termo “financiamento imobiliário” refere-se a uma linha de crédito de longo prazo, destinada à aquisição de uma casa ou de um apartamento. Ela é oferecida por instituições financeiras e bancos, sejam públicos, sejam privados, e permite o parcelamento de imóveis novos e usados, em construção ou terreno, para fins habitacionais ou até mesmo de comércio. Nos pacotes de financiamento, as condições costumam ser mais acessíveis, tanto nas formas de pagamento quanto nas taxas de juros. Assim, essa alternativa acaba tornando o sonho da casa própria uma realidade para muitos brasileiros. Porém, existem alguns requisitos para poder financiar: é preciso ser maior de idade, ter meios de comprovar a renda e não ter cadastro em nenhum órgão de restrição ao crédito. Quando o seu financiamento é aprovado, o banco paga ao vendedor do imóvel o valor do pedido de financiamento. Essa quantia pode ser o valor total do bem ou apenas uma parte. A partir daí, a propriedade já estará vinculada a quem fez o pedido de financiamento, podendo ser utilizada. Para quitar esse crédito cedido, essa pessoa deve pagar parcelas ao banco por um determinado período de tempo, que pode chegar até 35 anos. A única restrição é que, enquanto o financiamento não estiver quitado, não é possível vender ou negociar o imóvel a terceiros. Se interessou pelo assunto? Então, continue lendo este guia e confira mais informações sobre o financiamento imobiliário.

2. Tipos de financiamento

No Brasil, existem diferentes tipos de financiamento de imóvel. Vamos destacar alguns deles a seguir, explicando como funcionam os processos.

2.1. Minha Casa, Minha Vida

Iniciativa do governo para ajudar a população a conquistar a casa própria, o Minha Casa, Minha vida é um dos programas de financiamento mais populares do Brasil e apresenta muitas vantagens. Por meio dele é possível financiar imóveis e ter acesso a diversos benefícios. Porém, existem algumas restrições para participar. Não pode aderir ao MCMV quem já recebeu benefícios de moradia do governo, tem um imóvel, participou do Programa de Arrendamento Residencial ou tenha financiado ou esteja financiando um imóvel. Fora isso, qualquer pessoa maior de idade pode participar, desde que esteja dentro das faixas de renda contempladas pelo programa. O Minha Casa, Minha Vida é dividido em quatro faixas, de acordo com a renda do comprador. Cada uma tem condições e limites diferentes, portanto é necessário averiguar em qual delas você se encaixa.
  • Faixa 1: famílias com renda mensal bruta de até R$1.800. Aqui, o subsídio oferecido pode ser de até 90% do valor do imóvel e o pagamento será feito em até 120 prestações de no máximo R$270, sem juros.
  • Faixa 1,5: famílias com renda de até R$2.600. Essa faixa oferece subsídios de até R$47.500 para financiamento de imóveis de até R$135.000, com 5% de taxa de juros anuais.
  • Faixa 2: famílias com renda entre R$2.600 e R$4.000. A faixa 2 oferece subsídios de até R$29.000 e taxa de juros de 5,5% a 7% ao ano.
  • Faixa 3: famílias com renda bruta mensal acima de R$7.000 e até R$9.000 têm condições especiais de taxas de juros, com 8,16% a 9,16% ao ano.
Para participar do programa, são exigidos alguns documentos específicos para o comprador e para o imóvel ou obra. A documentação exigida para o comprador é:
  • Identidade;
  • CPF;
  • Carteira de Habilitação (se tiver);
  • Carteira de Identificação Profissional (se tiver);
  • Carteira de Trabalho (CTPS);
  • Certidão de Nascimento, para solteiros;
  • Certidão de Casamento (averbada, no caso de pessoas divorciadas);
  • Holerites dos três últimos meses;
  • Comprovante de residência;
  • Declaração do Imposto de Renda, se for o caso.
Antes de mais nada, vale lembrar que, se você é casado, obrigatoriamente entrará para o financiamento com o seu cônjuge, a menos que esteja sob o regime de separação total de bens. Além disso, caso deseje um imóvel que não está contemplado na sua faixa de renda, é possível optar pela composição, juntando a sua renda com a de outra pessoa. Até três pessoas podem juntar rendas para entrar no financiamento, o que também inclui amigos. Todos passarão por uma análise do banco (que avalia critérios do INSS, entre outros) e serão proprietários do imóvel de forma igualitária. É preciso, ainda, ficar atento a outras questões, como o uso do FGTS, prazos de pagamento e outros pontos legais. Isso vale tanto para quem entra com composição de renda quanto para quem entra sem. Para saber mais sobre esse programa, você pode buscar informações na prefeitura da sua cidade, em um banco ou em uma construtora participante. Importante destacar que não é preciso dar nenhum valor de entrada ou sinal para dar início ao processo.

2.2 Financiamento com a construtora

Outra opção é fazer um financiamento diretamente com a construtora. Essa também é uma alternativa bem flexível, que pode trazer algumas facilidades para a vida do comprador. A negociação é parecida com a que é feita pelos bancos, mas não há intermédio de outra instituição. As condições e a documentação necessária devem ser conferidas com a construtora em questão, mas os processos costumam ser menos burocráticos. Os juros, por sua vez, normalmente são maiores do que os de financiamentos feitos por meio do Minha Casa, Minha Vida. Outra diferença que precisa ser levada em conta é que, muitas vezes, os prazos dos financiamentos feitos diretamente com a construtora são mais reduzidos. Enquanto no MCMV as parcelas podem durar até 35 anos, nesse modelo elas costumam levar de cinco a dez anos, o que exige que o comprador pague uma quantia maior por mês.

2.3. Sistema Financiamento de Habitação (SFH)

Essa é outra modalidade de financiamento criada pelo governo federal. O SFH, no entanto, é garantido pelos recursos do FGTS (Fundo de Garantia de Tempo de Serviço) e do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). Para aderir a esse tipo de financiamento, é preciso ficar atento a alguns quesitos. Em primeiro lugar, a compra só pode ser feita por uma pessoa física. Além disso, a parcela só pode comprometer até, no máximo, 30% da renda do contratante. Para os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal, o valor máximo de avaliação do imóvel é de R$950 mil. Nos demais estados, esse valor é de até R$800 mil. A quantia máxima que pode ser financiada é de 70% para imóveis usados, e 80% para imóveis novos. No SFH, a taxa de juros é de a partir de 8,5% ao ano. Além disso, como já mencionamos, a base de recursos virá do FGTS e da caderneta de poupança. Por fim, é importante lembrar que, assim como no MCMV, o prazo máximo para a quitação da dívida é de até 35 anos.

3. Vantagens de financiar um imóvel

Como deu para perceber, cada tipo de financiamento tem algumas particularidades. De toda forma, financiar um imóvel apresenta diversas vantagens gerais que vale a pena comentar. Por esse motivo, listamos as principais a seguir.

3.1. Sair do aluguel

Se você sonha em sair do aluguel para ter um lugar que seja seu, o financiamento é uma ótima alternativa. Conseguindo organizar o seu orçamento e encontrando uma opção viável, você passa a investir em uma moradia que será sua propriedade.

3.2. Utilizar o imóvel de imediato

Como mencionamos lá no começo, a partir do momento em que o financiamento é aprovado você já pode passar a morar no seu novo imóvel. Ou seja, em um período mais curto de tempo a propriedade já estará disponível para ser usufruída, ao contrário do que aconteceria se, por exemplo, fosse preciso juntar todo o dinheiro para pagar à vista.

3.3. Segurança da operação

Com o financiamento e um bom controle financeiro, os riscos são bem menores do que se você decidir comprar um apartamento à vista, por exemplo. É preciso lembrar que, em ambas as alternativas, também haverão outros gastos, como taxas de juros, seguro imobiliário, amortização, compra da mobília para a casa etc. Assim, é mais seguro investir em algo que permita pagar em parcelas pequenas para evitar sustos com gastos além do planejado.

4. Dicas para financiar um imóvel

O processo de financiamento do imóvel vai ter algumas variações dependendo da opção que você escolher. Algumas das etapas básicas que podemos citar, no entanto, são: atender aos pré-requisitos financeiros, pesquisar e se informar, fazer simulações, passar pelas análises e avaliações, assinar o contrato, pagar as parcelas e, por fim, registrar o termo de quitação. Existem, ainda, dicas importantes para quem deseja aderir a esse processo — e nós separamos algumas delas a seguir, acompanhe!

4.1. Fique atento às exigências para o financiamento

Confira tudo o que o financiamento escolhido exige e se organize para conseguir cumprir esses requisitos. É importante, por exemplo, ver se é preciso utilizar seu score e verificar se você está negativado ou se existe alguma restrição ou apontamento ao seu nome, pois isso pode gerar grande dificuldade para financiar. Muitas vezes, é possível conferir esse tipo de informação online mesmo. E, caso tenha alguma pendência, procure resolvê-la antes de tentar financiar o seu imóvel — um planejamento financeiro, por exemplo, ajuda a solucionar muitos problemas.

4.2. Consiga a documentação necessária

Para fazer um financiamento, é preciso ter toda a documentação exigida. Assim, confira o que é necessário para o tipo de modalidade que você escolheu (pois podem haver variações entre elas) e vá atrás desses documentos. É importante se certificar, também, daqueles que precisam de segunda via. Fique atento às burocracias e faça tudo com calma.

4.3. Elimine as suas dívidas antes de iniciar o financiamento

Essa etapa é fundamental. Antes de começar a financiar, organize-se e priorize quitar todas as suas dívidas e compromissos financeiros em aberto. Se você está pagando as prestações de um carro, por exemplo, é preciso terminar antes de financiar um imóvel. É importante ressaltar que aqui estão inclusas todas as despesas, desde as do cartão de crédito e débito até as das menores compras ou do cheque especial. Começar um financiamento tendo compromissos financeiros em aberto pode acarretar grandes prejuízos, dificuldades e dor de cabeça. Além disso, se você tem dívidas, é importante fazer uma análise de como chegou a esse ponto. Talvez exista alguma dificuldade para se planejar e controlar seu dinheiro, o que também deve ser resolvido antes de fazer um financiamento.

4.4. Faça uma simulação antes de fechar o negócio

Antes de tomar uma decisão e efetivar o financiamento, é fundamental fazer uma simulação. Aliás, é recomendável fazer várias, para ajudar na escolha da melhor alternativa. Com isso, você terá uma ideia mais clara sobre o valor que vai pagar —mas lembre-se de que existem outras despesas que não estarão contempladas ali. Vamos falar mais sobre isso no próximo tópico.

4.5. Preste atenção aos detalhes e às despesas extras

Como já informamos aqui, com o financiamento vêm também outras taxas e despesas com o imóvel. Muitos desses detalhes serão pagos mensalmente. Por isso, é preciso se planejar e conferir se todos os gastos cabem realmente no seu bolso, sem prejudicar o seu orçamento. Leve em conta, ainda, que é importante sobrar uma parte da renda mensal para fazer uma reserva financeira de emergência. Afinal, não se pode controlar os imprevistos. Por fim, preste atenção aos sistemas de prestações, pois existem diferenças entre eles que podem ser verdadeiramente significativas. Após analisar bem, defina qual opção é melhor para você.

4.6. Aprenda a se planejar financeiramente

Um planejamento financeiro é fundamental, não apenas para o financiamento de imóvel, mas para lidar com todas as suas despesas e ganhos sem ter problemas. Se organizar, estipular metas e prioridades, cortar gastos supérfluos ou excessivos e eliminar dívidas são só alguns componentes dessa atitude, que você pode começar a colocar em prática no seu dia a dia. Ao se planejar, leve em conta as suas despesas fixas, a sua renda, a reserva financeira de emergência, os seus planos e projetos, entre outros fatores. Se você quer financiar um imóvel, se preparar para isso e, depois, incluir no seu planejamento os gastos envolvidos, são boas ideias de prioridades. Planejando-se, muitas coisas que pareciam difíceis — ou até impossíveis — tornam-se mais alcançáveis. Mesmo que você não as atinja em curto ou médio prazo, poderá estabelecer ações e traçar um caminho para torná-las realidade.

4.7. Tenha paciência

É compreensível que o desejo de ter a casa própria gere certa urgência, mas é preciso ter calma para dar início a um financiamento. Esse é um processo relativamente longo e que vai impactar o seu orçamento por bastante tempo, portanto requer pesquisa, análise e preparação. Faça tudo de acordo com o tempo e as suas condições, lembrando-se de que, com os passos adequados, é possível, sim, chegar onde você quer.

5. Conclusão

O financiamento de imóvel gera oportunidades para muitas pessoas que, até então, não pensavam ser possível realizar o sonho da casa própria. A existência de várias modalidades o torna ainda mais acessível, já que atende a diferentes públicos, como é o caso do Minha Casa, Minha Vida. Para dar início a esse processo, é preciso ficar atento às exigências, mas também às suas próprias necessidades e condições financeiras. Por isso, o objetivo deste e-book foi ajudar a esclarecer os pontos mais importantes.

6. Sobre a Construtora Tenda

Construtora Tenda tem mais de 48 anos de história e é uma das principais construtoras e incorporadoras do país focada em empreendimentos econômicos lançados na Faixa 2 do Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). Hoje, o foco é nos empreendimentos imobiliários econômicos, sendo reconhecida pela qualidade dos seus projetos por meio de uma escolha rigorosa dos materiais de construção e permanente capacitação da equipe. Está presente em mais de 100 cidades, espalhadas por 11 estados, além do Distrito Federal. Conta atualmente com mais de 40 lojas próprias e uma equipe de vendas preparada para orientar cada cliente no processo de aquisição do imóvel, oferecendo um atendimento personalizado. Mais do que construir empreendimentos imobiliários, a Construtora Tenda é especialista em entregar felicidade!
;



Todos os direitos reservados Tenda 2019
CPNJ: 09.625.762/0001-58