As dívidas estão acumulando e você não sabe o que fazer? Muita calma nessa hora. Você sabia que é possível trocar uma dívida? Acredite, essa é uma alternativa que pode te ajudar (e muito). Por isso, nesse post, nós te explicamos como esse processo funciona. Boa leitura!

Esse conteúdo também está disponível na versão podcast. Aproveite a praticidade do áudio que preparamos para você. Para ouvir é só clicar no play!

O que significa trocar uma dívida?

O que significa trocar dívida | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Infelizmente, o endividamento é uma realidade comum na vida dos brasileiros. Mas isso não precisa significar sempre algo negativo. Algumas vezes, a dívida é contraída para ajudar na realização de um sonho ou até mesmo na abertura de um negócio. Entretanto, o mau uso do dinheiro pode causar diversos problemas. Então, o que fazer quando uma dívida desestrutura suas finanças e fica difícil manter os pagamentos?

Há algumas opções que podem ser consideradas quando você está nessa situação. Por exemplo, conseguir uma renda extra ou cortar gastos que não são essenciais.

Uma possibilidade vantajosa (mas pouco conhecida) é trocar uma dívida cara por uma mais barata. Desse modo, você consegue se planejar novamente e colocar seu orçamento de volta nos trilhos. Mas você sabe o que exatamente é essa troca? Vamos lá!

Trocar uma dívida significa realizar o pagamento de um débito que apresenta custos mais altos através de um crédito com custos mais baixos. Em outras palavras, trocar uma despesa que apresenta juros altos por outra com juros menores. Assim, o risco de você acabar ficando negativado, ou seja, com o nome em listas como a do SPC e Serasa, cai e a sua saúde financeira melhora.

Porém, é claro que essa estratégia não faz milagres, ok? É preciso também ter um bom planejamento, mas ela pode te ajudar a aliviar os seus gastos com a quitação das parcelas.

Por que trocar uma dívida?

Boletos | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Aqui, a resposta é simples e direta: porque algumas dívidas podem se tornar maiores ao longo do tempo. Especialmente aquelas em que as taxas de juros não são pré-fixadas ou que podem levar facilmente a inadimplência, como é o caso do rotativo do cartão de crédito.

Imagine que você tem que pagar R$1.000 por mês na sua fatura. Um dia, você consegue pagar apenas R$800 e precisa parcelar o valor restante. Quando isso acontece, você entra no crédito rotativo, um dos principais motivos de endividamento das pessoas. Agora, se os juros do seu cartão forem de 9% ao mês (uma média das taxas disponíveis), você estará devendo não apenas os R$1.000 da sua fatura, mas um total de R$1.218 (R$1000 da fatura normal + R$200 do crédito rotativo + 9% de juros).

E isso só irá aumentar conforme os meses passam, porque os juros vão incidir sobre cada parcela da fatura em que você usou o rotativo. Viu como a coisa toda acaba virando uma bola de neve e você termina com uma dívida muito mais cara?

Por isso, a troca de dívida é uma das opções mais recomendadas para casos urgentes, nos quais o valor da despesa aumenta com rapidez, como no exemplo acima.

As dívidas mais caras que você pode ter

Débitos | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Uma dívida cara pode ser identificada através de seus altos juros, o que faz com que seja uma boa ideia substituí-la por outra opção de crédito, com taxas menores. O cartão de crédito é um bom exemplo de dívida cara. Isso por conta, principalmente, do rotativo, que explicamos ali em cima.

Além disso, o cheque especial também pode ser considerado uma dívida cara. A facilidade de ficar com o saldo negativo e entrar nessa modalidade significa ter que lidar com taxas de juros altíssimas. Por isso, uma dica é tentar evitar extrapolar o limite do seu saldo bancário. Lembre-se: o dinheiro do cheque especial é do banco, e por mais que seja cômodo utilizá-lo, ele é extremamente caro!

Atenção também às compras parceladas. Hoje em dia, é possível realizar compras com prazos bem longos, o que, a princípio, pode ser uma ótima vantagem. Porém, é preciso entender que, quanto maior o prazo, maior é também a taxa de juros. Em resumo, uma simples comprinha parcelada pode acabar se tornando uma dívida exorbitante.

Opções para trocar uma dívida

Opções de crédito | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Agora que você já sabe que pode trocar uma dívida, é preciso buscar uma alternativa que custe menos. No entanto, é preciso pesquisar qual é a melhor opção antes de tomar qualquer decisão. Mas não se preocupe! Separamos alguns tipos de crédito que podem ser vantajosos pra você. Confira!

Empréstimo em outro banco

Em primeiro lugar, uma opção para lidar com a dívida que você possui é tomar um empréstimo com taxa de juros inferior em outro banco. Para isso, faça uma boa pesquisa para saber qual banco oferece a melhor condição.

Empréstimo Consignado

Existem diversos tipos de empréstimo. No caso do empréstimo consignado, a parcela é descontada diretamente na folha de pagamento da pessoa. Exatamente por não oferecer grande risco ao banco, esse tipo de empréstimo costuma ter juros menores e condições facilitadas.

Entretanto, vale destacar que esse crédito é liberado para pessoas que fazem parte dos seguintes grupos: aposentados e pensionistas do INSS, funcionários de empresas públicas municipais, estaduais ou federais e trabalhadores com carteira assinada em que a empresa possui convênio com alguma instituição financeira.

Trocar dívida pelo Crédito Pessoal

O empréstimo pessoal pode ser um ótimo aliado na hora de trocar uma dívida. Essa modalidade é muito vantajosa quando a dívida possui juros elevados como, por exemplo, dívidas do cartão de crédito ou do cheque especial.

Dessa maneira, você pode pedir um empréstimo pessoal e quitar essas despesas. Entretanto, o ideal é sempre comparar entre as instituições para encontrar a opção que mais se encaixa no seu bolso.

Empréstimo com Garantia

Nessa forma de crédito, você pode utilizar bens como um carro ou imóvel, que estejam regularizados e quitados em seu nome, como garantia. Graças a isso, você pode conseguir parcelas mais baratas, valores maiores e prazos mais longos para pagar.

Porém, lembre-se que você está dando uma garantia através do seu bem! Ou seja, caso não ocorra o pagamento, seu carro ou imóvel pode ser tomado pela instituição financeira.

Portabilidade de Crédito

Por último, uma das alternativas que podem facilitar no pagamento da sua dívida é fazer a portabilidade dela para um banco com taxas mais vantajosas. A portabilidade pode ser solicitada junto à instituição financeira para onde você quer levar a sua despesa. Como as taxas de juros variam muito de uma instituição para outra, você pode aproveitar essa diferença para efetuar a troca.

Para fazer esta portabilidade, você precisa solicitar à instituição financeira que concedeu crédito (o banco da sua dívida antiga) para pedir dados do contrato e da dívida em si. Não se preocupe, as instituições são obrigadas a fornecerem esse tipo de informação. Com os dados em mãos, será a hora de procurar opções mais vantajosas.

Vale lembrar que na operação de transferência de dívida, não é permitida cobrança de qualquer custo. Segundo ordens do Banco do Brasil, todas as instituições financeiras são obrigadas a oferecer essa alternativa.

Como trocar uma dívida cara por uma mais barata?

Tipos de dívidas | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Agora que você já conhece todas as opções, é hora de se organizar para trocar uma dívida. Isso porque é importante estar atento à alguns fatores, para ter a certeza de fazer o melhor negócio. A seguir, confira um passo a passo de como realizar esse processo.

Organize suas finanças

Antes de tudo, para poder trocar de dívida, é preciso organizar suas finanças pessoais. Para isso, você deve fazer um levantamento das suas dívidas e das taxas de juros que paga em cada uma delas.

Aqui, é fundamental descobrir o Custo Efetivo Total (CET) destes débitos. O CET nada mais é do que o quanto será pago no total por esta dívida. Isto inclui juros, impostos, seguros e tarifas das mais diversas. Se forem várias dívidas, o processo deverá ser feito com todas elas. Anote tudo!

Analise todas as dívidas

Em seguida, será necessário somar todas as dívidas, desde as mais caras até as mais baratas. Além disso, será preciso contabilizar o tempo que você precisaria para quitá-las e o quanto elas pesam no seu orçamento. É essencial você conhecer os detalhes da sua dívida, saber qual o valor total que você deve atualmente, qual o valor de cada parcela e quantas parcelas faltam pagar.

Veja se é possível renegociar

Após identificar o valor real da sua dívida, é hora de negociar com as empresas que você deve e que possuem a melhor forma de pagamento. Às vezes, a renegociação pode ser tão vantajosa que não é preciso trocar a dívida para quitá-la. Não custa nada tentar!

Nesse caso, aproveite para verificar a possibilidade de conseguir um desconto sobre o valor total. Além disso, se você pretender fazer o pagamento parcelado, fique atento às taxas aplicadas sobre a nova operação. Afinal, mesmo com um desconto mensal menor, no longo prazo a dívida pode acabar saindo até mesmo mais cara.

Busque alternativas para trocar a dívida

Não conseguiu nada com a renegociação? Nada de desanimar. Após entender melhor sobre o volume de despesas que você tem, é hora de encontrar alternativas para substituir os débitos mais caros por outras opções de crédito mais barato.

Para isso, o ideal é conferir todas as ofertas das instituições financeiras e buscar as menores taxas do mercado, já que as políticas de crédito e taxas podem variar de banco para banco. Ainda bem que você já descobriu aqui no nosso post algumas das principais opções, certo?

Compare as taxas de juros e condições de pagamento

Basicamente, esse é o momento de comparar os diferentes cenários e verificar se a troca de dívida vale a pena nas condições que você encontrou. É importante levar em consideração os detalhes dessa troca. Não adianta se encantar por uma parcela de valor mais baixo se as taxas de juros são mais altas e aumentam muito o valor total.

Do mesmo modo, não é indicado se empolgar com juros baixos se, para aproveitá-los, você tiver que se comprometer com parcelas muito altas para o seu orçamento. Como você pode ver, o ideal é buscar condições que caibam no seu bolso e mantenham seu equilíbrio financeiro.

Faça a troca da dívida

Encontrou a condição perfeita, no tamanho certo pro seu orçamento? Então, após verificar todo o montante da sua dívida e encontrar a melhor oferta de crédito, chegou a hora de oficializar a troca.

Basta entrar em contato com a instituição da sua preferência e enviar uma proposta para transferência de dívidas, no caso de um empréstimo já vigente, ou a possibilidade de contratação de um novo crédito.

Seja cuidadoso para não fazer novas dívidas

Agora que você já sabe tudo sobre trocar uma dívida e está resolvendo sua situação, é importante também ter cuidado para não se endividar novamente.

Uma boa solução é criar uma planilha de gastos pessoais e mantê-la sempre atualizada. Dessa forma, é possível visualizar melhor as despesas e também identificar o que pode ser cortado para economizar. Algumas outras dicas básicas para ter o controle do seu dinheiro são:

  • manter as contas em dia;
  • não comprometer seu orçamento com despesas desnecessárias;
  • poupar dinheiro para emergências;
  • acompanhar nosso blog!

Vantagens de trocar uma dívida

Vantagens de trocar dívida | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Quer um resumão para entender os benefícios dessa alternativa? Então, veja a seguir mais detalhes sobre porque pode ser vantajoso fazer a troca de dívidas.

Economia de dinheiro

Com toda a certeza, qualquer valor economizado é sempre bom. E quando se fala de uma dívida de médio e longo prazo, melhor ainda! Atualmente, os bancos estão sempre em busca de oferecer melhores condições para as pessoas. Então, vale a pena ficar atento a qualquer oportunidade para trocar uma dívida por outra mais barata. Dessa forma, é possível até mesmo antecipar parcelas ou prestações e se livrar dessa pendência mais rapidamente.

Trocar dívida e fugir dos juros altos

Alguns dos principais responsáveis pelo endividamento das pessoas são o rotativo do cartão de crédito e o cheque especial. Isso porque, ao não pagar a dívida inicial, o valor da despesa pode aumentar muito com o passar do tempo, por conta dos altos juros. Não é raro que a situação acabe saindo do controle.

Nesse sentido, trocar as dívidas por outra mais barata é uma ótima alternativa, já que permite fugir dos juros altos. Optar pelo empréstimo consignado, por exemplo, pode chegar a ser uma economia de 300% ao ano em relação a outras modalidades de crédito.

Se organizar financeiramente

Com o passar do tempo, é comum que algumas dívidas se acumulem, sobretudo em relação àquelas que não contam com taxas pré-fixadas. Por conta disso, trocar de dívida também é uma maneira de se organizar financeiramente, já que, dessa forma, você terá todas as despesas centralizadas em um só lugar, o que facilita o controle do seu dinheiro.

Outra vantagem da troca de dívida é que, geralmente, esse procedimento pode ser feito através da internet. Sendo assim, basta realizar uma simulação da substituição de dívidas por meio das plataformas de crédito online e instituições financeiras.

Quando vale a pena trocar uma dívida?

Quando vale a pena trocar de dívida | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Sem dúvida, a decisão de trocar uma dívida depende das suas necessidades e condições financeiras atuais. Nem sempre vale a pena fazer essa escolha, mas, em muitos casos, ela é bastante vantajosa. Então, como avaliar isso e tomar a melhor decisão?

O primeiro passo é analisar a sua situação. Quem está inadimplente, isto é, não tem conseguido pagar as parcelas da dívida, já sabe que algo precisa mudar. Se o pagamento não está sendo realizado é porque ele não cabe no seu orçamento. Logo, deve ser repensado.

A troca de dívida é uma forma de solucionar esse problema. Você pode sair da inadimplência ao encontrar melhores condições para o pagamento, como parcelas menores e juros mais baixos.

Ao mesmo tempo, as pessoas que não estão inadimplentes também podem considerar que trocar uma dívida vale a pena. Afinal, é possível encontrar bancos e instituições financeiras que cobrem menores taxas por empréstimos, financiamentos etc. Como você já viu, trocar dívidas como as do cheque especial por tipos mais baratos, um empréstimo consignado, por exemplo, pode trazer muita economia.

Mais uma situação em que essa troca de crédito vale a pena é quando você tem várias dívidas. Parcelamento de diversos cartões de crédito, pagamento de empréstimo e mensalidade do financiamento. Pagar tudo isso de maneira separada pode gerar desorganização no seu planejamento.

Nesse caso, a troca permite que você solicite um só crédito para quitar todas essas contas. Assim, você fica apenas com a parcela da nova dívida. É como se houvesse uma unificação dos outros pagamentos, facilitando sua organização.

Cuidados para evitar dívidas mais caras

Cuidados com contas | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Tudo certo com a troca? Então, o próximo desafio é aprender a não cair na enrascada do endividamento de novo. Para te ajudar, nós separamos algumas dicas importantes para você não acabar contraindo uma dívida cara de novo. Olha só!

Entenda as mais diferentes modalidades de crédito

Cheque especial, empréstimo, cartão de crédito. Esses são apenas alguns exemplos mais comuns de empréstimo. Entretanto, cada uma das modalidades pode ser utilizada para usos e urgências diferentes.

Ainda mais, os empréstimos também variam em relação ao acesso (direto ou indireto), limites de crédito, taxas de juros e prazos para pagamento. Por isso, é importante buscar o tipo de crédito ideal para cada tipo de necessidade. Você consegue evitar fazer dívidas mais caras se você souber buscar outras alternativas.

Pesquise sobre as taxas de juros

Geralmente, o que faz um crédito ser mais caro é a taxa de juros. E a diferença pode chegar muitas vezes a mais de 20% ao mês. Em resumo, quanto maior o risco de inadimplência, maior a taxa de juros. Ou seja, quanto maior as garantias dos bancos, menor o valor repassado para o cliente.

Portanto, ao pesquisar pelas modalidades de crédito disponíveis, não se esqueça de comparar as taxas de juros entre as modalidades. Avalie também o CET, já que esse será o valor total a ser pago pela dívida.

Compare os juros entre os bancos

Os bancos também podem cobrar taxas diferentes, para uma mesma modalidade de crédito. Por exemplo, um empréstimo de mesmo valor e prazo pode totalizar uma dívida mais cara, dependendo do banco contratado.

Assim, antes de fechar qualquer negócio, pesquise os bancos que trabalham com aquela linha. Em alguns casos, é possível obter um empréstimo pessoal, mesmo não sendo cliente do banco de interesse.

Passe a controlar os seus gastos

Todas essas dicas só funcionam quando a pessoa também adota novos hábitos de consumo. Isso não quer dizer que você deva parar de consumir, mas sim assumir um compromisso consigo mesmo para quitar dívidas e criar metas financeiras mais rigorosas com o seu dinheiro.

Por isso, faça uma autoavaliação sobre seus hábitos de consumo e veja se todos são realmente fundamentais para o seu momento. É muito provável que você encontre alguns gastos que podem ser evitados em períodos de maior dificuldade financeira.

Busque mais conhecimento sobre educação financeira

Uma das principais formas de sair das dívidas é ter o conhecimento necessário para evitá-las. Por essa razão, é fundamental que você busque informações sobre como se educar financeiramente.

Seja por meio de aplicativos, vídeos no Youtube ou blogs especializados, é importante que você tenha cada vez mais habilidade para organizar seus recursos.

A educação financeira não é algo que deve ficar apenas na teoria, ela tem um impacto real no nosso dia a dia. Ela te ajuda a descobrir e calcular quanto você ganha, quanto pode gastar e em que deve gastar. Com esse conhecimento, é possível passar o mês tranquilo sabendo que todas as pendências vão ser pagas.

Ainda mais, você aprende como lidar com cada tipo de cobrança, quais são os juros de cada tipo de dívida e muitos outros temas que podem fazer a diferença na sua rotina.

Melhor ainda, você passa a economizar e usar o seu dinheiro para realizar grandes conquistas e sonhos! Acredite, a educação financeira é fundamental para as nossas vidas. E é para isso que estamos aqui!

Aproveite para conhecer as outras dicas e conteúdos do nosso blog! Ficou com alguma dúvida? Escreva aqui nos comentários. Não deixe também de compartilhar os posts com os amigos.

Sobre o Eu Dou Conta

O Eu Dou Conta é uma plataforma de educação financeira que vai te ajudar a sair do vermelho, conseguir juntar uma renda extra e lidar melhor com o seu dinheiro.

Nós da Construtora Tenda criamos esse projeto para colocar ao alcance de todo brasileiro informações importantes sobre finanças. Queremos mostrar que o dinheiro não precisa ser um problema, mas sim um caminho para alcançar seus objetivos.

Por isso, nosso blog segue uma “trajetória” de conteúdos. Explicamos desde conceitos iniciais como negativação e score de crédito, até as principais dúvidas sobre dívidas, como empréstimos e cheque especial, e dicas de como economizar.

Tudo isso em uma linguagem acessível e porque não (?) divertida. Queremos que as pessoas consigam aprender, tirar suas dúvidas e, posteriormente, dar o próximo passo: talvez começar a investir, conseguir poupar ou então realizar sonhos, como o da casa própria.

A Tenda é uma grande parceira dos programas habitacionais do Governo Federal, como o Casa Verde e Amarela, substituto do Minha Casa Minha Vida. Isso quer dizer que, com a gente, o sonho da casa própria está mais próximo do que você imagina.

Pode acreditar, nós já ajudamos mais de 120 mil famílias brasileiras a conquistarem a casa própria por meio das nossas parcerias. Com mais de 50 anos de história, a Construtora Tenda está presente em 9 estados e até mesmo na B3, a Bolsa de Valores do Brasil. Aproveite para conhecer a nossa Loja Virtual e encontrar um apartamento pertinho de você.