Adeus ano velho, feliz ano novo! Sua grande meta de 2023 é sair das dívidas de uma vez por todas? Uma das ferramentas mais poderosas para colocar as contas em dia é o planejamento financeiro, que, além de ajudar a controlar gastos, é fundamental para realizar sonhos.

No entanto, fazer uma boa gestão financeira nem sempre é uma tarefa fácil. Muitas pessoas enfrentam dificuldades para lidar com o próprio dinheiro, caindo em dívidas e, consequentemente, adiando planos.

Mas fazer um bom planejamento financeiro não é uma missão impossível. Com este guia, você vai entender como organizar as finanças para ter sucesso na vida financeira, evitando erros que podem pôr tudo a perder. Confira!

O que é planejamento financeiro?

O que é planejamento financeiro | Foto de um casal planejando suas finanças | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Planejamento financeiro é uma forma de organizar as finanças com o objetivo de reduzir gastos desnecessários e, em consequência, alcançar grandes metas.

Ou seja, com o controle de ganhos e gastos e a melhora da saúde financeira, é possível investir o dinheiro em realizações pessoais, como uma viagem de férias, a compra de um veículo e até mesmo a conquista da casa própria.

Em outras palavras, o planejamento financeiro inclui (mas não se limita a) usar o dinheiro que você ganha para pagar as contas do mês, quitar dívidas, fazer uma poupança para ter uma reserva de emergência e ainda guardar uma parcela para investir ou para realizar um sonho.

Por isso, o planejamento financeiro é uma estratégia que deve ser usada ao longo de toda a sua vida. Mas se você ainda não começou a colocá-lo em prática, fique tranquilo: nunca é tarde demais para começar!

Como fazer um planejamento financeiro para 2023?

Como fazer um planejamento financeiro para 2023 | Foto de um cofrinho de porquinho, moedas e o número 2023 | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Não tem jeito: dezembro é o mês de começar a traçar as metas para o ano que está chegando. Alguns exemplos são bem conhecidos, como não gastar mais do que ganha, controlar o uso do cartão de crédito, quitar todas as dívidas, começar a investir, enfim, a lista é grande.

Mas imprevistos acontecem, e, em muitos casos, o que era uma meta acaba virando uma frustração. É para resolver esse problema que o planejamento financeiro foi criado. Assim, ao seguir uma organização bem estruturada, as chances de ter sucesso em suas metas são bem maiores.

A seguir, vamos explicar de maneira detalhada as principais etapas para montar um planejamento financeiro eficiente para o ano de 2023. Boa leitura!

1. Conheça suas finanças

Se você não sabe por onde começar na hora de fazer um planejamento financeiro, o primeiro passo é entender a realidade das suas finanças. Para isso, você vai precisar apenas de papel e caneta. Se preferir, também pode usar planilhas de gastos ou aplicativos voltados para essa finalidade.

Em outras palavras, ver com clareza quanto você ganha, quanto você gasta, quais gastos são fixos (aquelas despesas que precisam ser pagas todo mês, como a conta de água, energia e a fatura do cartão de crédito), quais são variáveis e também se você está destinando uma parte do seu dinheiro para realizar um sonho ou se está guardando para o futuro.

Além disso, também é muito importante anotar se você tem dívidas, o valor delas, há quanto tempo você está devendo e se tem dinheiro suficiente para resolver essa situação o quanto antes.

Ao fazer essa análise, será possível ver com clareza como está sua vida financeira e entender o que você gostaria de mudar para o próximo ano, inclusive, definindo as metas para 2023. Esse é o ponto de partida.

2. Defina suas metas do ano

Agora que você já consegue ver com mais clareza como as suas finanças funcionam, é mais fácil escolher qual meta você quer tirar do papel no ano que vai começar.

Isso porque a maioria das metas está relacionada a conquistas que envolvem dinheiro, como comprar um carro novo ou fazer uma viagem para o exterior. E também existem os planos que dependem unicamente de uma boa organização financeira, como limpar o nome e criar uma reserva de emergência.

Por isso, comece listando todos os seus objetivos. Em seguida, separe-os em metas de curto, médio e longo prazo. Classificando seus planos por ordem de prioridade, suas chances de conseguir realizar algum deles em pouco tempo aumentam.

3. Saia das dívidas

Sua meta principal é quitar todas as dívidas e voltar a ficar com o nome limpo? Então, uma dica é já começar focando nesse objetivo logo de cara.

Afinal, vai ser mais difícil conseguir realizar outros sonhos se você continuar endividado. Por exemplo: se você deseja fazer um financiamento para comprar uma casa mas está com o nome negativado, suas chances de conseguir a aprovação de crédito são muito baixas, pois o banco ou a empresa credora entende que você não paga suas contas no prazo.

Logo, se você está nessa situação, o ideal é que resolvê-la antes de começar outros planos. O primeiro passo é entender quanto do seu orçamento pode ser usado para o pagamento de dívidas. Mas atenção: lembre-se sempre que é indispensável continuar pagando suas contas fixas para não acumular mais problemas, ok?

Se você puder guardar um pouco a cada mês, maravilha! Mas se mesmo assim você não conseguir quitar o valor das dívidas, existem outras formas de resolver a situação: negociando com as empresas, trocando de dívida, fazendo renda extra e muito mais. Não sabe por onde começar? Você pode conferir as melhores dicas para quitar dívidas e limpar seu nome aqui no Eu Dou Conta!

4. Faça um orçamento

Depois de definir suas metas e entender se existem dívidas que podem atrapalhar seu planejamento, você deve começar a montar seu orçamento financeiro mensal. Não sabe como fazer isso? Calma que a gente explica!

Em resumo, o orçamento mensal serve para você definir limites de gastos durante todo o mês em que está. Quer ver alguns exemplos? Estabelecer valores máximos para gastar com alimentação, roupas e lazer, sem deixar de pagar contas fixas e poupar para suas metas.

O orçamento deve conter as principais categorias de gastos do mês, de forma que você consiga equilibrar as contas, poupando parte do seu salário para seus planos futuros sem deixar de lado compras que satisfaçam suas necessidades e desejos.

Uma dica valiosa para não errar na hora de montar seu orçamento é definir, logo no começo do mês, exatamente a quantia que você vai gastar com as categorias da sua organização. É claro que imprevistos acontecem e, se ultrapassar esse limite, é muito importante que você gaste menos que o previsto em outra categoria, para não fugir do orçamento.

5. Use o cartão de crédito apenas quando necessário

Ao fazer uma compra de alto valor sem nenhuma possibilidade de desconto à vista, usar o cartão de crédito é uma boa opção. A possibilidade de parcelar o valor (quando não são cobrados juros) pode ajudar a evitar ter gastos maiores de uma vez só.

Entretanto, o uso descontrolado do cartão de crédito pode ser muito prejudicial. Se você não conseguir pagar a fatura total na data de vencimento, terá que lidar com taxas de juros altíssimas, o que pode piorar ainda mais a situação, levando até mesmo a ver seu nome negativado, um problema que não existia antes.

Por isso, o cartão de crédito deve ser usado quando houver alguma vantagem para o consumidor, como no caso de programas de pontos que podem ser convertidos em produtos ou milhas aéreas, por exemplo.

Algumas operadoras também oferecem descontos em shows e cinemas. Mas lembre-se: nada disso é importante se o uso do cartão levar você a fazer dívidas que não terá como pagar.

Vale ressaltar que existem diversas opções de cartão de crédito sem a cobrança de anuidade, principalmente em bancos digitais. Então, atente-se para pedir seu cartão em uma empresa que não cobre essa taxa. Afinal, toda despesa a mais, por menor que seja, sempre tem impacto no seu orçamento.

Em resumo: se você tiver disciplina e controlar de perto seus gastos no cartão de crédito, dificilmente terá problemas.

6. Tenha uma reserva de emergência

Além de aprender a controlar suas despesas e evitar gastos desnecessários, um bom planejamento financeiro também deve incluir um hábito importante: poupar dinheiro. Por mais óbvio que pareça, nem todo mundo consegue colocar esse costume em prática.

Se algum imprevisto ou emergência acontecer, como um acidente, gastos com despesas médicas ou próprio desemprego, você corre grandes riscos de não conseguir arcar com as contas, recorrendo a opções perigosas como empréstimos e o cheque especial, criando uma bola de neve de dívidas.

É para evitar tudo isso que existe a reserva de emergência, que nada mais é do que uma poupança para lidar com gastos inesperados, preservando suas finanças e não deixando você passar por nenhum aperto.

Em outras palavras, é preciso que a reserva de emergência faça parte do seu orçamento mensal. E a quantia destinada a ela deve ser guardada todos os meses, até que você atinja o necessário para ter tranquilidade se um imprevisto acontecer. Os especialistas no assunto recomendam que sua reserva de emergência seja equivalente ao valor dos seus gastos fixos multiplicado por seis meses (o mínimo para garantir segurança).

Por exemplo, se suas despesas fixas (contas de casa, supermercado, alimentação, transporte, saúde e outras) somam R$ 2 mil por mês, o valor da sua reserva deve ser de, no mínimo, R$ 12 mil.

Você não precisa juntar tudo isso de uma vez só. Comece aos poucos, poupando o que for possível mês a mês. O mais importante é não estar de mãos vazias caso algum imprevisto aconteça.

7. Anote todos os seus gastos

Se essa for a primeira vez que você vai fazer um planejamento financeiro, é muito importante ter o controle de tudo o que você gastou durante o mês, diminuindo as chances de erros no orçamento.

Você deve anotar até mesmo aqueles gastos de menor valor, como o cafezinho após o almoço ou aquele picolé que você comprou em um dia quente de verão. Pode acreditar, tudo isso faz diferença na hora de ver quanto você gastou no fim do mês.

Em um primeiro momento, é preciso entender o que pode estar desequilibrando suas finanças e até mesmo gerando dívidas. Ao anotar tudo, você vai ter um resumo eficiente dos seus gastos para poder reorganizar seu planejamento, se for necessário.

8. Estude, fale e leia sobre…dinheiro!

Assim como tudo nesta vida, é preciso estudar se você realmente quer ter uma vida financeira mais saudável. Mas claro que só ler a respeito não basta. Você deve colocar as dicas em prática.

Infelizmente, a educação financeira ainda não é um tema tão popular, apesar da sua enorme importância. Acima de tudo, o dinheiro é o meio para você poder realizar seus sonhos, e não deve ser visto como um tabu. Muito pelo contrário!

Aprender a usar bem seu dinheiro não precisa ser chato! Você pode fazer isso de diversas formas: assistindo a filmes e séries, lendo livros sobre finanças, enfim, tudo o que for ajudar você a assimilar o que está sendo explicado.

O blog Eu Dou Conta possui uma lista com as melhores séries, filmes e livros sobre o assunto. Veja agora mesmo e prepare-se para começar um novo capítulo na sua vida financeira!

9. Reveja seu planejamento financeiro

Se em algum momento do ano seu planejamento financeiro não estiver saindo como o esperado, é hora de revisitá-lo e entender o que pode ter atrapalhado sua jornada.

Pode ser que você precise cortar mais gastos e/ou economizar nas contas, como trocar o plano da operadora do seu celular para um mais barato ou cancelar aquele serviço de streaming que você não assiste com tanta frequência. Também pode ser que uma das metas que você planejou não faça mais sentido na sua realidade atual. Acontece!

O importante é você não deixar de lado seu planejamento financeiro. Por isso, sempre avalie se suas necessidades estão sendo atendidas e se você está evoluindo com as finanças.

10. Procure por renda extra

Sabe quando você paga todas as suas contas e acaba ficando no aperto logo no começo do mês? Para evitar essa situação nada agradável, muitas pessoas buscam por uma renda extra. Com ela, sempre é possível complementar seu salário e até conseguir guardar um pouco mais.

Em resumo, renda extra é todo e qualquer dinheiro que você ganha fora da sua principal fonte de renda, ou seja, seu emprego fixo. Na mesma linha, é aquela quantia a mais que você pode ganhar por fora (por isso é “extra”).

Logo, é uma forma de aumentar seus ganhos e manter a saúde das suas finanças. Assim, ter um dinheiro a mais no seu orçamento vai ajudar a tornar seu planejamento financeiro mais eficiente e controlado, além de permitir que você continue a construir sua reserva financeira.

Você não sabe o que pode fazer para conseguir uma renda extra? Veja a seguir algumas ideias:

  1. Trabalhe como afiliado;
  2. Revenda produtos;
  3. Trabalhe como freelancer;
  4. Seja motorista de aplicativo;
  5. Dê aulas particulares;
  6. Crie uma loja virtual;
  7. Faça peças de artesanato para vender;
  8. Crie um brechó online;
  9. Faça bolos, doces, salgados e marmitas para vender;
  10. Faça entregas por aplicativos;
  11. Dê consultorias;
  12. Alugue um espaço sem uso na sua casa;
  13. Teste aplicativos e sites;
  14. Passeie com animais ou hospede-os em casa;
  15. Responda pesquisas online.

São muitas opções, certo? Então, se sua meta é ter uma renda extra em 2023, já dá pra ir planejando em qual dessas atividades você vai apostar suas fichas!

Tipos de planejamento financeiro

Organização financeira | Foto de um cofrinho com moedas para 2023, uma casa de madeira e uma família de madeira | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

O planejamento financeiro permite lidar com o dinheiro de forma mais eficiente e organizada. Mas não existe apenas um tipo de planejamento, por isso é importante entender as características de cada um para saber qual deles você deve adotar.

Planejamento financeiro pessoal

Ideal para pessoas que vivem sozinhas ou quando a fonte de renda familiar vem de uma pessoa só. Nele, é você quem define suas metas e como gastar o dinheiro que ganha.

Algumas falhas, como não saber diferenciar desejo de necessidade e não ter controle financeiro, podem comprometer o planejamento pessoal. Portanto, é essencial que a pessoa tenha foco e siga o passo a passo para ser bem-sucedida nas suas metas.

Planejamento financeiro familiar

Por outro lado, o planejamento familiar inclui todas as pessoas da família que têm uma fonte de renda. Um exemplo são os casais que trabalham e têm filhos. Dessa forma, é preciso incluir todos os ganhos e gastos das pessoas: a receita do casal, as despesas de casa, os gastos das crianças, e por aí vai.

Aqui, a ideia é a mesma do planejamento individual, porém, é preciso incluir no planejamento familiar uma coluna para totalizar receitas e gastos. Além disso, todos os membros do grupo têm diferentes objetivos e metas que devem ser levados em consideração ao se planejar o orçamento familiar mensal.

Planejamento financeiro empresarial

Por fim, o planejamento empresarial, direcionado a quem é dono de um negócio, é indispensável para manter as finanças da empresa em dia. Vale ressaltar que é importante manter em planilhas separadas o planejamento empresarial do pessoal, para não confundir as coisas.

No orçamento empresarial, é possível ter um controle detalhado sobre como está a situação financeira do negócio: lucros, prejuízos, problemas financeiros, entre outros. Assim, o principal objetivo desse modelo é traçar, de forma organizada e eficiente, metas e objetivos da empresa.

Erros comuns do planejamento financeiro

Erros do planejamento financeiro | Foto de uma menina preocupada segurando o celular | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

Não tem jeito: é errando que se aprende! Porém, é importante identificar os erros que podem estar atrapalhando seu planejamento financeiro para controlar a situação. Saiba mais a seguir!

Não anotar todos os gastos

É um dos erros mais comuns. E pior: pode levar seu plano financeiro por água abaixo. Isso porque acompanhar as entradas e as saídas de dinheiro ajuda você a ter uma visão de possíveis gastos desnecessários, que, quando cortados, podem gerar uma grande economia.

Portanto, sempre faça o registro das suas compras, por menores que sejam, para entender como elas afetam as suas finanças.

Guardar apenas o dinheiro que sobrar

Em vez de guardar apenas o que sobrar no fim do mês, você deve se programar para guardar uma quantia assim que receber o seu salário. Aí, sim, depois será a hora de pagar as contas e outras despesas. Isso vai ajudar você a cumprir sua meta de economia mensal.

Não definir metas

Sem metas e objetivos, seu planejamento financeiro não tem um foco. Logo, ter uma missão para cumprir é o que vai deixar você motivado a se dedicar 100% aos seus objetivos.

Portanto, não deixe de fazer planos de curto, médio e longo prazo. Ao mesmo tempo, reflita sobre o que é necessário para chegar lá.

Exagerar no uso do cartão de crédito

Como já vimos aqui, o cartão de crédito deve ser usado apenas quando houver vantagens na hora da compra. O ideal é usar essa forma de pagamento sem ultrapassar 30% da sua renda mensal.

Qual a importância do planejamento financeiro?

Qual a importância do planejamento financeiro | Foto de uma menina feliz segurando um cofrinho | Como limpar o seu nome | Eu Dou Conta

De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), oito em cada dez famílias estão endividadas no Brasil. Esse é um número muito grande de pessoas que, muitas vezes, não conseguem ver seus sonhos serem realizados pela falta de planejamento financeiro.

No entanto, as dívidas não são o único empecilho para os brasileiros conquistarem suas metas. Gastos desnecessários e o hábito de não guardar dinheiro também dificultam o progresso de quem deseja tirar planos do papel.

Por isso, o planejamento financeiro é importante para identificar o que precisa ser mudado e o que é possível fazer para lidar com o dinheiro de forma mais responsável.

Quando seguido à risca, o planejamento financeiro é capaz de resolver todos os problemas citados anteriormente, colocando as finanças nos eixos para alcançar a tão sonhada estabilidade.

Assim, além de ajudar nas finanças, o planejamento financeiro também proporciona melhor qualidade de vida, já que quem adotar essa estratégia pode conseguir direcionar seu dinheiro de acordo com as suas metas.

Tudo pronto para começar a montar seu planejamento financeiro para 2023? Para conferir mais dicas como essas, é só continuar ligado no Eu Dou Conta!

Sobre o Eu Dou Conta

O Eu Dou Conta é uma plataforma de educação financeira que ajuda quem está negativado a sair do vermelho, conseguir juntar uma renda extra e lidar melhor com o dinheiro.

Nós da Construtora Tenda criamos esse projeto para colocar ao alcance de todo brasileiro informações importantes sobre finanças. Queremos mostrar que o dinheiro não precisa ser um problema, mas sim um caminho para alcançar seus objetivos.

Por isso, nosso blog segue uma “trajetória” de conteúdos. Explicamos desde os conceitos iniciais, como negativação e score de crédito, até as principais dúvidas sobre dívidas, como empréstimos e cheque especial. Claro que você também poderá encontrar sempre por aqui dicas sobre como economizar.

Tudo isso em uma linguagem acessível e, por que não, divertida. Queremos que as pessoas aprendam cada vez mais, tirem suas dúvidas e, quem sabe, consigam dar o próximo passo, começando a poupar para, então, realizar sonhos como o da casa própria.

A Tenda é uma grande parceira dos programas habitacionais do governo federal, como o Casa Verde e Amarela, substituto do Minha Casa Minha Vida. Isso quer dizer que, com a gente, o sonho da casa própria está mais próximo do que você imagina.

Pode acreditar: já ajudamos mais de 130 mil famílias brasileiras a conquistar a casa própria por meio das nossas parcerias. Com mais de 50 anos de história, a Construtora Tenda está presente em nove estados e até mesmo na B3, a Bolsa de Valores do Brasil. Então nossa última dica vai direto pra você que quer ter um cantinho só seu: aproveite para conhecer a nossa Loja Virtual e encontrar um apartamento com a sua cara!