SUBSÍDIO CASA VERDE E AMARELA: QUAL O VALOR MÁXIMO OFERECIDO PELO PROGRAMA?

Minha Casa Minha Vida

Um dos maiores programas habitacionais do Governo Federal, o Casa Verde e Amarela, o substituto do Minha Casa Minha Vida, tem o objetivo de facilitar a compra da casa própria por famílias de baixa renda. Em especial, o projeto conta com benefícios incríveis, sendo o maior deles o subsídio. Mas, uma dúvida muito recorrente é: qual é o valor máximo que posso ter de subsídio do Casa Verde Amarela?

Esse conteúdo também está disponível na versão podcast. Aproveite a praticidade do áudio que preparamos para você. Para ouvir é só clicar no play!

Tais, assistente virtual da Alea | Blog da Alea
Loja Virtual Tenda
Spotify Blog da Tenda

Logo, pensando nisso, neste artigo você vai descobrir todos os detalhes sobre o Casa Verde e Amarela e como funciona o subsídio. Vamos lá!?

O que é subsídio?

Foto de entrega de chaves de casa própria | Valor máximo do subsídio Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Para começar, o sonho de muitos brasileiros é comprar a casa própria e o subsídio habitacional é uma das formas para realizar essa conquista. Geralmente, o subsídio é um valor dado seja pelo governo, empresa ou instituição, a fim de garantir o preço acessível de produtos e/ou serviços. Contudo, o subsídio habitacional é uma quantia liberada pelo governo para que as famílias de baixa renda consigam comprar a casa própria.

O que é o subsídio Casa Verde e Amarela?

Em especial, no programa Casa Verde e Amarela, o subsídio funciona como um desconto no valor total do imóvel, deixando o preço mais em conta. Ou seja, é um empurrão que o Governo te dá, pagando uma parte do imóvel que você escolher. Aliás, saiba que essa quantia não precisa ser devolvida ao governo.

Para exemplificar, digamos que você vai comprar um apartamento de R$ 100 mil e consegue um subsídio de R$ 20 mil. Então, o custo que você terá é de apenas R$ 80 mil. Incrível! Não é mesmo?!

Vale lembrar que esta quantia não pode ser usada como valor de entrada em um imóvel. Porém, é possível utilizar esse valor em diversas etapas do financiamento imobiliário. Justamente, porque o subsídio é uma forma de diminuir os custos que serão financiados. Em outras palavras, deixa o preço das parcelas do financiamento menores. No entanto, será necessário ter em mãos, pelo menos, 20% do preço total do imóvel para fazer a compra.

Todavia, os valores disponíveis de subsídio do Casa Verde e Amarela dependem de algumas condições, como a renda familiar, a região onde você quer morar e o custo do imóvel. Logo, quanto menor for a renda da família, maior será o quantia do subsídio habitacional. Mas, fique tranquilo, pois vamos explicar todos os detalhes do subsídio Casa Verde e Amarela. Na sequência, vamos entender melhor sobre este programa habitacional.

O que é o programa Casa Verde e Amarela?

Foto do logo do programa Casa Verde e Amarela no celular | Programa habitacional Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Inicialmente, o programa habitacional Casa Verde de Amarela (PCVA) foi criado em 2020 para substituir o Minha Casa Minha Vida. Em especial, o maior objetivo é facilitar a compra da casa própria e melhorar a qualidade de vida dos brasileiros, principalmente a população de baixa renda.

Para esclarecer, o PCVA oferece diversos benefícios que deixam o financiamento imobiliário mais acessível. Além do subsídio habitacional, você pode usar recursos como a composição de renda, consegue taxas de juros menores que as praticadas no mercado e tem a chance de utilizar o FGTS no processo de compra do imóvel. A seguir, saiba mais detalhes sobre os grupos de renda e taxas de juros do Programa Casa Verde e Amarela.

Faixas de renda

De início, o Casa Verde e Amarela tem o objetivo de ajudar as famílias brasileiras de baixa renda no financiamento da casa própria. Dessa forma, o programa é organizado em três grupos de renda com a seguinte divisão:

Imagem dos grupos de renda do Casa Verde e Amarela | Quais são as faixas de renda do Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

  • Grupo 1

Famílias e pessoas com renda de até R$ 2.400;

  • Grupo 2

Pessoas e famílias com renda entre R$ 2.400,01 e R$ 4 mil;

  • Grupo 3

Pessoas com renda entre R$ 4.000,01 e R$ 7 mil.

Todavia, em comparação ao Minha Casa Minha Vida, a reformulação do Casa Verde e Amarela reduziu o número de faixas de renda. Antes eram quatro e atualmente são três grupos. Isso porque, cada um deles oferecem valores diferenciados de subsídio e taxas de juros. Em seguida, confira as taxas de juros de cada grupo de renda do PCVA.

Taxa de juros

A princípio, as taxas de juros do PCVA variam de acordo com os grupos de renda e com a região em que está o imóvel. Para todos os casos, os juros ofertados pelo programa são menores que as tarifas cobradas pelo mercado imobiliário.

Além do mais, o financiamento feito pelo PCVA é uma excelente escolha para quem mora nas regiões Norte e Nordeste. Justamente porque, o governo tem a intensão de melhorar a qualidade de vida e moradia das pessoas que moram no Nordeste e no Norte do país. Por essa razão, os juros cobrados nesses locais são menores com relação aos demais locais. Em seguida, confira as taxas de juros do Casa Verde e Amarela:

Imagem das Taxas de Juros Casa Verde e Amarela | Quais são os juros do Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

  • Grupo 1

Para as famílias com renda bruta de até R$ 2.400, que moram nas regiões Norte e Nordeste, as taxas são a partir de 4,25% aos cotistas do FGTS e para não-cotistas 4,75% a 5% ao ano. Já para as demais localidades do país, os juros para os cotistas do FGTS são de 4,5% a 4,75% e não-cotistas 5% a 5,25%.

  • Grupo 2

Já para as famílias com renda entre R$ 2.400,01 e R$ 4 mil, que moram no Nordeste e Norte do Brasil, as taxas de juros para os cotistas do FGTS são de 4,75% a 6,5% e não cotistas 5,25% a 7%. Para os habitantes das demais regiões do país, os juros para os cotistas são de 5% a 6,50% e não cotistas 5,50% a 7% ao ano.

  • Grupo 3

As pessoas e famílias que têm uma renda bruta familiar entre R$ 4.000,01 e R$ 7 mil, os juros são os mesmos para todo o Brasil, sendo que aos cotistas do FGTS a taxa é de 7,66% e para os não cotistas 8,16%.

Quem pode participar do PCVA e tem direito ao subsídio habitacional?

Inicialmente, o Casa Verde e Amarela tem algumas condições para que você possa participar do programa. Na sequência, confira os requisitos:

Foto da lista de condições de quem pode participar do programa Casa Verde Amarela | Programa Habitacional do Governo Federal | Blog da Tenda

  • Ser brasileiro ou naturalizado no país;
  • Não ter nenhum imóvel próprio (casa ou apartamento);
  • Ter mais de 18 anos (maioridade);
  • Não estar cadastrado no Cadastro Nacional de Mutuário (CADMUT);
  • Se encaixar em um dos grupos de renda do programa;
  • Não possuir nenhum imóvel financiado;
  • Não pode ter recebido nenhum benefício de moradia do governo.

No entanto, se você se encaixa em todos os requisitos, esta é a hora de conquistar sua casa ou apartamento próprio através do Casa Verde e Amarela.

Quais as diferenças entre Casa Verde e Amarela e Minha Casa Minha Vida?

Apesar de ambos os programas terem o mesmo objetivo, as principais mudanças entre o Minha Casa Minha Vida e o Casa Verde e Amarela (PCVA) são as faixas de renda, as taxas de juros e outros detalhes.

Primeiramente, o Minha Casa Minha Vida (MCMV) possuía quatro faixas de renda e o PCVA conta com três grupos de renda. Assim, com a mudança, aumentaram as chances de contemplar mais brasileiros com os benefícios do projeto habitacional.

Sobretudo, em relação às taxas de juros, no MCMV, cada faixa tinhas suas taxas específicas para todas as regiões do Brasil. Por outro lado, no Casa Verde e Amarela as taxas de juros são diferentes entre os grupos de renda, regiões e para cotista ou não cotista do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Todavia, outro ponto a se destacar é que, no funcionamento do Minha Casa Minha vida o foco era apenas para compra de um imóvel novo. Apesar disso, o Casa Verde e Amarela, além de atender os empreendimentos novos, atua também nas reformas residenciais e regularização fundiária. Por fim, de acordo com o Governo Federal, a meta é regularizar 2 milhões de moradias e promover melhorias em 400 mil habitações até 2024.

Quais são os benefícios que o Casa Verde e Amarela têm e que não existiam no Minha Casa Minha Vida?

Foto do logo do programa Casa Verde Amarela no celular sobre dinheiro | Qual diferença entre o Minha Casa Minha Vida e Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

De modo geral, o Minha Casa Minha Vida oferecia benefícios somente para a compra de imóveis novos. Já o Programa Casa Verde e Amarela atua em três áreas diferentes, sendo elas:

  • Financiamento imobiliário: nessa categoria, existe a divisão do público-alvo em três grupos de renda para adquirir o financiamento. Para os moradores da regiões Norte e Nordeste há condições especiais para a compra do imóvel;
  • Regularização fundiária: ao invés de despejar os moradores das residências que estão com a documentação irregular, o Governo Federal quer mapear as famílias para oferecer propostas para regularizar a situação do imóvel. Por exemplo, através de reformas ou até mesmo a reconstrução total do imóvel;
  • Reformas ou retomada de obras: nessa opção, o Casa Verde e Amarela permite até o uso do FGTS para diminuir a dívida contraída em obras do imóvel.

O Programa Casa Verde e Amarela tem subsídio?

Foto de uma pessoa assinando contrato financiamento de casa | Subsídio Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

De antemão, o Casa Verde e Amarela possui o subsídio, sendo um dos maiores benefícios do projeto. A quantia pode ser utilizada na compra de apartamentos, casas; enfim, imóveis que são destinados para moradias. Logo, não é possível comprar uma propriedade que para será um comércio.

Acima de tudo, o subsídio do Casa Verde e Amarela facilita a compra do imóvel por famílias de baixa renda. Além do mais, essa quantia liberada ao comprador é descontada no preço total do imóvel. Ou seja, o valor do subsídio amortiza o custo do imóvel, fazendo com que as parcelas do financiamento fiquem mais acessíveis.

Vale lembrar que, se você conseguir o subsídio habitacional, não terá acesso aos valores. Isso porque, a quantia já é abatida diretamente no financiamento, diminuindo o valor da compra.

Como funciona o subsídio no Casa Verde e Amarela?

Foto de uma calculadora, bloco de papel e uma casinha | O que significa subsídio | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

A cota de subsídio que cada família vai receber é definida a partir da renda familiar, da região onde está localizado o imóvel e o valor da propriedade. Entretanto, existe uma quantia aproximada de subsídio para cada grupos de renda do PCVA, confira:

  • Grupo 1

Famílias e pessoas com renda de até R$ 2.400,00 podem obter até R$ 47.500,00 de subsídio;

  • Grupo 2

Pessoas e famílias com renda de R$2.400,01 até R$ 4.000,00, podem obter até R$ 29.000,00 de subsídio.

Imagem sobre os valores do subsídio Casa Verde e Amarela | Quais são os valores de subsídio | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Quer descobrir qual o valor de subsídio você pode ter para conquistar um apartamento? Consulte o Simulador de Financiamento da Tenda, uma ferramenta que você saiba os valores aproximados de subsídio, custo das parcelas do financiamento e qual apartamento Tenda cabe no seu orçamento.

Qual o valor máximo do subsídio no programa Casa Verde e amarela?

O foco do Casa Verde e Amarela é dar condições de acesso ao financiamento habitacional para famílias de baixa renda, especialmente nas regiões Norte e Nordeste. Portanto, o valor máximo de subsídio do Casa Verde e Amarela é de R$ 47,5 mil.

No entanto, o valor máximo de subsídio é oferecido, justamente, para as pessoas que fazem parte do Grupo 1, com renda de até R$ 2.400. Além do mais, os compradores que fazem parte dessa faixa de renda podem utilizar os demais benefício do PCVA, como: a composição de renda e o uso do FGTS.

Qual é a documentação necessária para solicitar o subsídio?

Foto de um casal separando documentos | Documento para o Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

A documentação é uma parte importante no processo de participação do Casa Verde e Amarela. Porque, é a forma de comprovar que o solicitante atende todos os requisitos do programa habitacional. Na sequência, descubra quais os documentos necessários para obter o subsídio do Casa Verde e Amarela:

  • Documentos pessoais: Carteira de identidade (RG) ou Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e CPF;
  • Comprovantes de Estado Civil: Certidão de Nascimento, para os solteiros e Certidão de Casamento, para quem é casado. Para os divorciados, é preciso a Certidão de Casamento Averbada com divórcio ou Contrato de União Estável;
  • Comprovante de renda;
  • Carteira de trabalho;
  • Título de Eleitor;
  • Comprovante de residência atual;
  • Certidões de Nascimento e CPF dos filhos menores de 18 anos;
  • Em casos de Portadores de Necessidades Especiais, laudo médico atual com identificação da doença e CID.

Por fim, tenha sempre em mãos os documentos originais. Dessa forma, você evita qualquer imprevisto na hora de fazer o cadastro no programa.

Atualização do subsídio Casa Verde e Amarela

No dia 22 de fevereiro, o Governo Federal publicou o Decreto nº 10.976, no Diário Oficial da União, informando uma atualização importante no subsídio do programa habitacional Casa Verde e Amarela. Logo, o decreto determina um novo valor máximo de subsídio para compra e construção de imóveis feita através do programa Casa Verde e Amarela.

Em outra palavras, em áreas urbanas o benefício aumentará de R$ 110 mil para R$ 130 mil, e para as áreas rurais, passará de R$ 45 mil para R$ 55 mil. Contudo, o texto oficial não altera os valores dos grupos de renda do programa Casa Verde e Amarela. Quer saber mais detalhes sobre o subsídio Casa Verde e Amarela? Assista o vídeo abaixo.

Outros benefícios do Casa Verde e Amarela

Antes de mais nada, você percebeu que o subsídio do Casa Verde e Amarela é um excelente benefício na hora de comprar um imóvel. Contudo, como no antigo programa, Minha Casa Minha Vida, o Casa Verde e Amarela conta com outras vantagens que vão te ajudar a conquistar a casa própria. Confira na sequência!

Composição de Renda

Sobretudo, se você percebeu que o seu salário não é o suficiente para aprovação de um financiamento imobiliário, a composição de renda é uma excelente alternativa.

Foto das pessoas que podem fazer a Composição de renda no programa Casa Verde e Amarela | O que é composição de renda? | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Para esclarecer, a composição de renda é a soma do seu salário com a renda de outras pessoas da sua família e até mesmo amigos. Na sequência, confira a lista de pessoas que podem compor renda com você no financiamento de imóvel:

  • Pais, madrasta e padrasto;
  • Cônjuge, namorados e noivos;
  • Filhos e enteados;
  • Tios, primos e demais familiares;
  • Irmãos e amigos;
  • Entre outras pessoas do círculo social.

Vale lembrar que você pode escolher até três pessoas do seu convívio social para realizar o sonho de comprar a casa própria. Para deixar mais claro, a composição de renda funciona da seguinte forma: digamos que você tenha um salário de R$ 1.500, o seu cônjuge recebe R$ 2.000 e o seu filho maior de idade ganha R$ 1.000. Neste caso, somando todos os salário da família, o valor da renda familiar bruta seria de R$ 4.500. Com isso, as chances de aprovação do financiamento aumentam.

Compor renda com mais pessoas vai ajudar na etapa de avaliação de crédito feita pelos banco. Além disso, esse procedimento é feito pela maioria dos bancos e instituições financeiras para saber se você é capaz de arcar com o pagamento do financiamento.

Outro ponto importante, você não será o único proprietário do imóvel, então, escolha bem quem são as pessoas que vão te ajudar nessa conquista. Portanto, é bom frisar que o financiamento é um compromisso financeiro a longo prazo e é importante o grau de comprometimento de todos que participarão da compra.

Uso do FGTS

Foto do logo do FGTS no celular e no computador | Como usar o FGTS no financiamento de imóvel | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Uma das vantagens de fazer um financiamento com o programa Casa Verde e Amarela é utilizar o FGTS na compra da sua casa própria. Além de tudo, existem diversas formas de aplicar essa quantia no financiamento imobiliário.

Primeiramente, você pode usar o seu saldo do FGTS como valor de entrada do seu imóvel. Porém, para utilizar a quantia, precisa atender alguns requisitos do Governo Federal. Confira:

  • Ter trabalhado no mínimo três anos, consecutivos ou não, em qualquer emprego sob regime do FGTS;
  • Não ter um financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e nem possuir algum imóvel em seu nome na cidade onde você reside ou trabalha;
  • Não ter utilizado os recursos do FGTS no mínimo de três anos.

Assim, cumprindo as condições, o fundo poder ser usado para dar de entrada em um apartamento e financiar o valor restante do imóvel.

Em segundo lugar, você pode utilizar o FGTS para reduzir o valor das parcelas do financiamento do imóvel em até 80%. Além disso, uma outra opção é amortizar o saldo devedor ou diminuir as parcelas com quantia do FGTS. Ao optar por amortizar sua dívida do financiamento, você reduz a incidência de juros cobrados ao longo das prestações.

Entretanto, se você é um trabalhador autônomo e tem saldo de FGTS para ser utilizado, você vai precisar mostrar uma declaração do órgão gestor ou comprovantes de um sindicato para contar com essa vantagem.

Quais são as regras para utilizar o FGTS no financiamento imobiliário?

Antes de mais nada, para utilizar o FGTS no financiamento da casa própria, é preciso se enquadrar nas regras determinadas pelo Governo Federal. Além do trabalhador atender as condições do fundo, o imóvel também tem de estar dentro de alguns requisitos.

Especialmente, o benefício pode ser usado na compra de imóveis destinados à moradia do trabalhador e melhoria da qualidade de vida. A seguir, descubra as condições do imóvel para o uso do FGTS:

  • O imóvel deve ser urbano para uso residencial;
  • O objetivo do imóvel deve ser a moradia do titular do FGTS;
  • A propriedade deve possuir a matrícula no Registro de Imóveis e não apresentar qualquer impedimento à comercialização;
  • O imóvel não pode ter sido financiado com o uso do FGTS nos últimos três anos.
  • A propriedade passará por uma vistoria de um agente da Caixa Econômica Federal. Ele vai atestar a finalidade de uso do imóvel e as condições de habitabilidade antes do recurso ser liberado.

No entanto, para os imóveis que estão nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais ou Distrito Federal, deve custar no máximo R$ 750 mil reais. Já para as demais regiões, o valor limite da propriedade é de R$ 650 mil reais.

Vale ressaltar também que existem alguns impedimentos para utilizar o FGTS no financiamento. Em seguida, saiba os principais motivos que não permitem o uso do fundo:

  • comprar um imóvel comercial;
  • comprar, ao mesmo tempo, terrenos sem construção;
  • adquirir qualquer tipo de imóvel para dependentes, familiares ou outras pessoas.

Sendo assim, as regras são essenciais para garantir a eficiência do programa. Afinal, o PCVA existe para facilitar a compra da casa própria por quem vive de aluguel ou de favor.

Quem pode usar o FGTS em um financiamento imobiliário?

Foto de uma mulher pesquisando no notebook com uma xícara na mão | Como usar o FGTS na compra da casa própria | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Inicialmente, todos os trabalhadores que possuem saldo de FGTS. Porém, é preciso ter no mínimo três anos de carteira assinada (em período contínuo ou não), por uma ou várias empresas.

Além disso, a pessoa não pode ter outro financiamento em aberto, independentemente da localização do imóvel. Do mesmo modo, não pode ser proprietário de nenhuma outra propriedade do município onde mora ou trabalha e deve ser o titular legitimo do bem que será financiado.

Quais documentos para utilizar o FGTS no financiamento de imóveis?

Foto de um casal afrodescente conferindo documentos no computador | Quais documentos para usar o FGTS na compra de apartamento? | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

De antemão, para utilizar o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço no financiamento de um imóvel com o programa Casa Verde e Amarela, precisa apresentar a seguinte documentação:

  • Documentos pessoais como RG e CPF;
  • Extratos das contas vinculadas ao FGTS;
  • Carteira de trabalho;
  • Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física (DIRPF).

Vale lembrar que você pode utilizar o FGTS de mais uma pessoa na compra da casa própria. Então, confira como usar mais de um saldo do FGTS no financiamento imobiliário.

É possível usar mais de um FGTS?

Foto de um homem e mulher avaliando documentos ao lado de um notebook | Quais documentos para usar o FGTS para comprar uma casa? | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

Geralmente, é possível utilizar o FGTS de duas pessoas que vão te ajudar na compra da sua casa própria. Essa opção faz parte do benefício da composição de renda.

No entanto, saiba que o apartamento ou casa ficará no nome das pessoas que vão compor renda com você no financiamento. Além disso, se o segundo comprador for um cônjuge, ele não precisa residir ou trabalhar no lugar que está a propriedade. Por outro lado, se o outro comprador não for o marido, a esposa ou algum outro familiar, será preciso comprovar que os dois morarão no local.

Quais são os valores dos imóveis para utilizar o Casa Verde e Amarela?

Foto de um homem fazendo contas em calculadora com documentos | Quais os valores dos imóveis para o Casa Verde e Amarela | Minha Casa Minha Vida | Blog da Tenda

O Casa Verde e Amarela tem um limite com relação aos valores dos imóveis financiados pelo programa. A seguir, confira o preço máximo de uma propriedade por região:

Para cidades com 50 mil a 100 mil habitantes

  • Distrito Federal e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro: imóveis de R$ 166.750 mil;
  • Região Sul e nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais: propriedades de R$ 161 mil;
  • Região Centro-Oeste: bens de R$155.250 mil;
  • Regiões Norte e Nordeste: imóveis de R$155.200 mil.

Para cidades pequenas com 20 mil a 50 mil habitantes

  • Distrito Federal e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro: imóveis de R$ 159.500 mil;
  • Região Sul e nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais: bens de R$ 154 mil;
  • Regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste: propriedades de R$148.500 mil.

Para as capitais e grandes cidades com mais de 800 mil habitantes

  • Distrito Federal e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro: imóveis de R$ 264 mil;
  • Região Sul e nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais: bens de R$ 236.500 mil;
  • Regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste: propriedades de R$209 mil.

Para demais capitais e municípios com população maior ou igual a 250 mil habitantes

  • Distrito Federal e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro: imóveis de R$ 253 mil;
  • Região Sul e nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais: bens de R$ 209 mil;
  • Regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste: propriedades de R$198 mil.

Para capitais regionais e municípios a partir de 100 mil

  • Distrito Federal e nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro: imóveis de R$ 198 mil;
  • Região Sul e nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais: bens de R$ 187 mil;
  • Regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste: propriedades de R$181.500 mil.

É possível comprar um apartamento Tenda com o subsídio do programa Casa Verde e Amarela?

Sim! Com toda a certeza! Isso porque, a Tenda possui uma grande parceria com o Casa Verde e Amarela. Principalmente porque, nosso objetivo é colocar a casa própria ao alcance dos brasileiros. Dessa forma, você pode adquirir um dos apartamentos à venda da Tenda utilizando as vantagem do PCVA. Por fim, para ter mais informações sobre os empreendimentos da Tenda, entre em contato com o nosso time de atendimento. Conte com a gente nessa conquista!

Sobre a Tenda

Tenda é uma das maiores construtoras do Brasil e uma das empresas que integram a Bolsa de Valores de São Paulo. Listada no Novo Mercado da B3, a companhia tem o mais alto nível de governança corporativa do país.

Com mais de 50 anos de experiência no mercado imobiliário, a gente sabe que comprar um apartamento muitas vezes parece ser algo impossível para muitos brasileiros. Por isso, a nossa missão é colocar a conquista da casa própria ao seu alcance.

Acredite, com as nossas condições exclusivas somadas a grande parceria que temos com o programa Casa Verde e Amarela, o substituto do Minha Casa Minha Vida, você consegue ter o seu cantinho.

Nós já realizamos o sonho de mais de 120 mil famílias, provando que ter um imóvel próprio é possível. Para ajudar cada vez mais brasileiros, estamos presentes em capitais e regiões metropolitanas de nove estados do país. Existem apartamento à venda em São Paulo, Bahia, Ceará, Pernambuco, apartamentos à venda no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás e Minas Gerais.

Além de mais de 50 lojas físicas nos nove estados em que atuamos, também oferecemos a comodidade da Loja Virtual Tenda, um ambiente seguro e com todas as informações que você precisa para conquistar o seu imóvel. No nosso site, você também encontra ferramentas como o Simulador de Financiamento e a Calculadora dos Sonhos que te ajudam no planejamento da compra.

Conte com a gente para realizar o sonho de ter o seu apartamento! Estamos prontos para tirar as suas dúvidas e te acompanhar durante todo o processo.

Loja Virtual Tenda
Spotify Blog da Tenda
Autor do Post | Tenda Blog
Escrito por:

Tenda

Saia do aluguel e conquiste seu apartamento. Dê o primeiro passo agora mesmo.


Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

(0) Comentários
Este artigo ainda não possui comentário. Seja o primeiro.