Descubra como fazer um planejamento pessoal – Tenda



Cadastre-se e fique
por dentro das novidades.





Sonhos não existem para ficar só na imaginação, eles precisam sair do papel. Afinal, o que adianta ficar a vida toda desejando aquele apartamento próprio, por exemplo, se você nunca consegue atingir esse objetivo? Saiba mais sobre o assunto aqui! É inevitável que o tempo passe, e é melhor usá-lo com mais atitudes e ações em vez de apenas pensamentos isolados. A boa notícia é que se você souber como fazer um planejamento pessoal, vai estar mais perto da realização dos seus sonhos, como a compra do seu imóvel, do que você imagina! Neste conteúdo vamos explicar justamente o que é esse planejamento pessoal e como fazê-lo para se organizar e tirar suas maiores vontades do imaginário. Aqui você vai entender o que é, qual é a importância e como definir suas metas por meio do planejamento pessoal. Comece a visualizar seus objetivos a partir de agora com a certeza de que você já tem a chave para alcançá-los. Boa leitura!

O que é o planejamento pessoal?

Com certeza você já ouviu a seguinte frase: "a pessoa que não sabe para onde vai não chega a lugar nenhum". Essa é uma máxima que sinaliza bem o conceito de planejamento pessoal, já que estamos falando de uma forma de organizar a vida a fim de conquistar objetivos. Se você já tem em mente que sua maior prioridade no momento é comprar um apartamento, ótimo! Acontece que nem todo mundo tem essa visão clara do que realmente quer. Logo, um planejamento pessoal serve para ajudar tanto pessoas indecisas quanto as já decididas a esboçarem o melhor trajeto rumo à concretização dos seus desejos. Outro ponto importante a ser destacado é que o planejamento estipula prazos para que os objetivos possam ser alcançados em determinado período. Assim, você não fica a vida inteira se preparando para algo que nunca chega, certo? A estratégia é facilitar as suas escolhas, das simples decisões diárias às mais complexas, para que você cumpra o que precisa rumo ao seu apartamento próprio, por exemplo. A ideia de qualquer planejamento, afinal, é otimizar o tempo para que você aja de modo inteligente e conquiste bons resultados.

Como ele funciona?

O conceito de planejamento pessoal, por si só, é bastante motivacional, não é? Porém, mais importante que a teoria é saber aplicá-la na prática. Portanto, um bom plano deve conter alguns aspectos — metas de curto, médio e longo prazo, estratégias pensadas para atingir essas metas, recursos necessários e prazos para a realização de cada etapa do processo. Nesse sentido, é fundamental começar com um propósito. É esse fator que vai motivar todas as suas ações e estruturar o planejamento pessoal. De tempos em tempos surgem novos objetivos, mas é preciso ter foco para não se dispersar e perder o rumo da caminhada. Já que estamos usando a casa própria como exemplo, vamos pensar em uma pessoa que divide seu tempo entre trabalho e estudo, que é jovem e ainda mora com os pais, mas quer muito comprar seu primeiro apartamento. Com essa meta em mente, ela vai ter o ponta pé inicial para elaborar um planejamento pessoal estratégico.

Visualize seus planos

Sonhos não existem para ficar só na imaginação, eles precisam sair do papel. Afinal, o que adianta ficar a vida toda desejando aquele apartamento próprio, por exemplo, se você nunca consegue atingir esse objetivo? Saiba mais sobre o assunto aqui! É inevitável que o tempo passe, e é melhor usá-lo com mais atitudes e ações em vez de apenas pensamentos isolados. A boa notícia é que se você souber como fazer um planejamento pessoal, vai estar mais perto da realização dos seus sonhos, como a compra do seu imóvel, do que você imagina! Neste conteúdo vamos explicar justamente o que é esse planejamento pessoal e como fazê-lo para se organizar e tirar suas maiores vontades do imaginário. Aqui você vai entender o que é, qual é a importância e como definir suas metas por meio do planejamento pessoal. Comece a visualizar seus objetivos a partir de agora com a certeza de que você já tem a chave para alcançá-los. Boa leitura!

O que é o planejamento pessoal?

Com certeza você já ouviu a seguinte frase: "a pessoa que não sabe para onde vai não chega a lugar nenhum". Essa é uma máxima que sinaliza bem o conceito de planejamento pessoal, já que estamos falando de uma forma de organizar a vida a fim de conquistar objetivos. Se você já tem em mente que sua maior prioridade no momento é comprar um apartamento, ótimo! Acontece que nem todo mundo tem essa visão clara do que realmente quer. Logo, um planejamento pessoal serve para ajudar tanto pessoas indecisas quanto as já decididas a esboçarem o melhor trajeto rumo à concretização dos seus desejos. Outro ponto importante a ser destacado é que o planejamento estipula prazos para que os objetivos possam ser alcançados em determinado período. Assim, você não fica a vida inteira se preparando para algo que nunca chega, certo? A estratégia é facilitar as suas escolhas, das simples decisões diárias às mais complexas, para que você cumpra o que precisa rumo ao seu apartamento próprio, por exemplo. A ideia de qualquer planejamento, afinal, é otimizar o tempo para que você aja de modo inteligente e conquiste bons resultados.

Como ele funciona?

O conceito de planejamento pessoal, por si só, é bastante motivacional, não é? Porém, mais importante que a teoria é saber aplicá-la na prática. Portanto, um bom plano deve conter alguns aspectos — metas de curto, médio e longo prazo, estratégias pensadas para atingir essas metas, recursos necessários e prazos para a realização de cada etapa do processo. Nesse sentido, é fundamental começar com um propósito. É esse fator que vai motivar todas as suas ações e estruturar o planejamento pessoal. De tempos em tempos surgem novos objetivos, mas é preciso ter foco para não se dispersar e perder o rumo da caminhada. Já que estamos usando a casa própria como exemplo, vamos pensar em uma pessoa que divide seu tempo entre trabalho e estudo, que é jovem e ainda mora com os pais, mas quer muito comprar seu primeiro apartamento. Com essa meta em mente, ela vai ter o ponta pé inicial para elaborar um planejamento pessoal estratégico.

Visualize seus planos

Antes de partir para os passos de criação de um planejamento pessoal, vale ressaltar que, para funcionar, ele deve ser visualizado constantemente. Isso quer dizer que você deve tirar suas ideias da cabeça: anote, escreva, imprima, cole na parede, enfim, materialize seus pensamentos para que você consiga vê-los todos os dias!

Revise sempre seus objetivos

Para que funcione, seu planejamento precisa de revisão constante. Isso acontece porque nossa vida costuma mudar com o tempo — um emprego novo pode surgir, alguém da família pode ficar doente ou, simplesmente, você queira incluir mais objetivos no seu planejamento, como uma viagem ou um computador novo (necessário para manter os estudos, por exemplo). O mais importante é não abrir espaço para a desmotivação! Visualizando constantemente seu planejamento e revendo seus objetivos, você vai sempre renovar suas energias e dar aquele gás para continuar a caminhada rumo à realização.

Faça também um controle financeiro

O planejamento pessoal vale não só para você se organizar pessoalmente, mas também para manter um controle de gastos para que você não meta os pés pelas mãos e atrapalhe toda a estratégia desenhada até então. Nesse sentido, crie o hábito de anotar todos os seus gastos e também economize no dia a dia, cortando aquele lanche na rua ou alguma assinatura que você nem usufrui tanto assim.

Por que você deve fazê-lo?

Se ainda restam dúvidas da importância do planejamento pessoal, vamos reforçar com mais algumas ideias relacionadas ao assunto. Retomemos o objetivo do apartamento próprio e pensemos em todas as variáveis que esse objetivo abarca. Vamos lá? Para comprar um apartamento, você vai precisar de dinheiro. Então, vai ter que se dedicar nos estudos para conquistar uma boa posição profissional, a fim de ter condições de bancar esse sonho. Contudo, para que isso aconteça, você vai ter que abrir mão de algumas coisas no caminho, que podem afetar sua vida social e familiar, por exemplo. É aí que o planejamento pessoal entra como uma maneira de equilibrar todas essas áreas da vida, sem abalar o seu psicológico e o seu emocional. Logo, você deve fazê-lo porque adquire algumas competências. Veja algumas!

Porque desenvolve a inteligência emocional

Quando nutrimos as perspectivas com organização, tudo flui harmonicamente e de modo saudável, sem que algum aspecto da nossa vida desmorone. Afinal, de que adianta conseguir o apartamento, mas não ter saúde física e mental para desfrutar dele junto à família e amigos? Percebe agora a importância do planejamento pessoal? Essa estratégia é fundamental para que você tenha uma visão de futuro e não tire os pés do presente, com mais inteligência emocional. Com a devida consciência da sua realidade e as melhores ações, a trajetória para o seu objetivo se torna mais prazerosa e menos pesada, além de deixar o seu sonho mais palpável e claro.

Porque garante mais clareza profissional

Quando elaboramos um planejamento pessoal para conquistar algo, tudo começa a se encaixar melhor em outras áreas da nossa vida. Como você vai querer ter estabilidade financeira para bancar a compra do imóvel, vai passar a se preocupar mais com sua carreira e vai ter mais clareza sobre o que realmente quer fazer da vida. Afinal de contas, se você precisa ter determinadas habilidades para alcançar uma colocação profissional melhor, vai colocar isso no seu planejamento pessoal para conquistar essa posição no mercado e ter mais chances de adquirir seu apartamento. Viu como tudo está interligado?

Porque desenvolve disciplina e foco para a conquista do objetivo

É um desafio doloroso para muitas pessoas abrir mão de certas comodidades com o propósito de conquistar algo maior. Por isso, quando alguém decide criar um planejamento pessoal, ela tem a faca e o queijo na mão — antigos impulsos negativos são canalizados e transformados em foco e determinação para alcançar seus objetivos. Com a motivação desenhada de forma clara e transparente, você passa a desenvolver disciplina no seu dia a dia, pois começa a considerar o que é realmente importante e relevante. Será que aquela roupa nova é urgente assim? Ou você pode segurar a vontade e manter suas economias para atingir suas metas dentro do prazo que colocou para si?

Porque aumenta a sua produtividade

Com o planejamento pessoal, você para de gastar seu tempo à toa. É claro que vão existir momentos de descanso e lazer, mas tudo vai estar organizado e você vai suprir todas as demandas da vida com um nível maior de produtividade — seja nos estudos, seja no trabalho, seja em casa relaxando. Sim, até mesmo enquanto descansamos podemos ser produtivos. Isso porque podemos aproveitar aquele tempo ocioso para ler um livro que agregue valor aos nossos sonhos ou um filme bacana que traga uma lição de vida inspiradora para que a gente não deixe a peteca cair. Viu só como o planejamento é necessário e útil para absolutamente tudo na sua rotina?

Quais são as vantagens do planejamento pessoal?

É mais benefício que você quer? Para que todas as suas dúvidas e preguiças sumam em relação à decisão de elaborar um planejamento pessoal, vale a pena conferir mais algumas vantagens que a estratégia traz para a vida de modo geral:
  • há uma melhora considerável na sua autoconfiança;
  • você também conquista mais autoconhecimento;
  • suas habilidades de resolução de problemas se potencializam;
  • a automotivação deixa seus dias com mais propósito e energia;
  • sua saúde financeira pessoal e familiar melhora;
  • a carreira profissional também atinge um desempenho melhor;
  • surge um sentimento de gratidão à medida que as pequenas metas vão sendo alcançadas;
  • a capacidade de tomada de decisões livra sua vida de incertezas e dúvidas limitantes.
Com todos esses pontos positivos, quem é que vai abrir mão de se planejar pessoalmente? Não existem contras no planejamento estratégico pessoal e é por isso que você, e essa altura do campeonato — ou desta leitura —, não pode deixar de fazer o seu.

Qual é a importância da análise pessoal?

Diante de todas essas informações absorvidas até aqui, é essencial pontuar que o planejamento requer uma análise pessoal. Além disso, é a partir dessa observação que você vai entender melhor seus desejos e descobrir por que eles ainda não foram concretizados. Com o desenvolvimento do autoconhecimento, você resolve todas as suas pendências e cria uma certa desenvoltura para lidar com o que vem daqui para frente. Se a pessoa admite que é impulsiva e consumista, por exemplo, é melhor cuidar disso primeiro para, depois, partir para tarefas mais próximas do seu objetivo. Ao desenvolver tal proatividade, você conhece o seu maior aliado na missão: você mesmo! Com essa maturidade emocional, não existe obstáculo nem tarefa impossível de ser cumprida. Aqui, conhecer nossos limites é fundamental, contudo, mais importante ainda é não se conformar com eles — esteja sempre aberto para mudar e avaliar o que já passou, acertar no presente e construir o futuro que você deseja.

Como se organizar?

Fez a análise pessoal? Então, você é uma pessoa organizada ou desorganizada? Se você se encaixa no time dos “organizadinhos”, parabéns. Porém, se acha que ainda pode melhorar nesse sentido, tome fôlego e encare o planejamento pessoal como uma verdadeira aula de organização. Independentemente da sua personalidade, saiba que todo mundo é capaz de colocar sua vida nos eixos. Basta compreender, de início, quais são seus objetivos a fim de traçar as suas metas. Lembre-se de que existe uma diferença entre esses dois conceitos:
  • objetivos: são seus desejos maiores, como é o caso de comprar um apartamento, perder ou ganhar peso ou aprender inglês;
  • metas: são todas as tarefas que vão fazer você alcançar o seu objetivo, como se fossem degraus que você vai subindo um a um para chegar ao topo e pegar seu “prêmio” final.
Depois de ter isso em mente, é interessante anotar seus objetivos e, depois, pensar em quais serão as metas para atingir o resultado almejado. O melhor caminho é delinear com clareza todas essas ações, com prazos pensados e com ideias alcançáveis de acordo com a sua realidade. Para explicarmos melhor: não adianta nada você ter uma meta de guardar R$2 mil por mês, se a sua renda atual é praticamente essa. Economizar é viável, mas não de forma irreal, pois isso só vai frustrar e fazer você desistir do seu objetivo de adquirir um imóvel. Nesse sentido, conte com a ajuda de uma agenda, de blocos de anotação, de planilhas e até mesmo de aplicativos e outras tecnologias — daremos dicas sobre isso ao final do conteúdo —, para escrever seu planejamento, visualizá-lo e acompanhá-lo fazendo as devidas revisões periódicas.

Quais são as fases do planejamento pessoal?

Pronto, agora que você já sabe o essencial, está na hora de elaborar o seu planejamento pessoal. Daqui em diante, explicaremos quais são as principais etapas de criação do seu plano, começando pela definição de prioridades até chegar à mensuração dos resultados. Vamos lá?

Definir as prioridades

No topo do seu planejamento pessoal, escreva qual é o seu objetivo principal. Você pode desenhar seu plano unicamente para isso, mas também pode elaborar algo mais completo, com objetivos secundários que, de uma forma ou de outra, podem estar relacionados ao desejo central. Se o seu objetivo principal é um apartamento, por exemplo, você também pode pensar em longo prazo e já incluir um objetivo secundário, como a compra de determinados móveis, a forma como você quer decorar os ambientes, entre outras opções.

Estabelecer os prazos

Para essa definição de prazos, também é importante ser realista. Você pode estipular que vai comprar um celular novo em seis meses, por exemplo. Contudo, o mesmo período é impensável para quem quer algo maior, como um patrimônio imobiliário. Talvez você precise projetar suas metas em períodos menores para adquirir um apartamento daqui a alguns anos, pensando em ações diárias, mensais e semestrais:
  • se o imóvel que você deseja custa X reais, por exemplo, pesquise qual é o valor mínimo de entrada e quantas parcelas vão faltar para quitar o valor do bem;
  • pegue o preço da entrada e divida pelo que você pode investir mensalmente com o seu salário até conseguir esse montante;
  • veja quantas parcelas serão necessárias e tenha uma ideia do tempo para atingir essa meta;
  • dentro desse período, defina metas menores que ajudem você a ter disciplina para manter essa constância de investimento (ficar um mês sem comprar besteira, não pedir comida em casa em seis meses etc.);
  • além da entrada, para o restante do financiamento, pense na mesma perspectiva e, com isso, vá definindo seus prazos para que o pagamento completo do imóvel seja finalizado.

Revisar e fazer ajustes necessários com periodicidade

Com todas as metas anotadas e o esquema traçado de acordo com prazos, fica muito mais fácil visualizar o que é preciso fazer para atingir seu objetivo. Contudo, como mencionamos, pode ser que imprevistos surjam e mudem um pouco a sua rota. A ideia é manter o seu plano ativo, sem distrações que façam você perder o foco. Entretanto, ninguém consegue prever uma doença, uma crise financeira desencadeada pelo desemprego de algum membro da família, um equipamento importante estragado que precisa de reparo, entre outras variáveis. Logo, tenha o hábito de pegar o seu planejamento pessoal periodicamente, revisar e fazer ajustes — principalmente nos prazos, que são o que mais pode sofrer influências de contratempos. Esse gerenciamento também funciona como controle para acompanhar as finanças pessoais e até mesmo desejos secundários. Vai que surge a oportunidade de uma viagem incrível, que só se garante uma vez na vida? Nada impede que você se organize para viver essa experiência e, depois, volte ao seu objetivo principal. Agora, vamos ser um pouco otimistas? Outra situação que também incita o replanejamento é o caso de você conseguir uma renda extra ou uma promoção no trabalho e ter a chance de encurtar o tempo necessário para dar uma entrada no apartamento, por exemplo.

Como definir metas?

Para ajudar a definir as melhores metas que vão guiar você ao resultado maior, que é seu objetivo, vale a pena aprender a metodologia SMART. Com ela, são traçadas metas curtas e médias para um objetivo em longo prazo, considerando mais caminhos para alcançar esse resultado e se concentrando no que é possível dentro da sua realidade. Em inglês, “smart” tem um significado próximo de “inteligência”. Realmente, a ideia é diferenciada, mas o nome dessa técnica é uma sigla para cinco fatores, que vão ajudar a desenhar melhor uma meta. Nesse sentido, ela deve ser:
  • Specific: específica;
  • Measurable: mensurável;
  • Attainable: atingível;
  • Relevant: relevante;
  • Time-based: temporal.
Ao ter em mente essas questões, você seleciona as tarefas ideais para atingir seu objetivo. Por exemplo, se determinada atividade é passível de ser atingida, é relevante, mensurável e bastante específica para que você conquiste algo, certamente vai auxiliar na sua trajetória em um determinado período de tempo.

Como a tecnologia pode ajudar?

Como promessa é dívida, já que prometemos dar dicas sobre funcionalidades tecnológicas enquanto falávamos de como se organizar, aqui vão alguns aplicativos e outras soluções que podem otimizar ainda mais o seu planejamento pessoal. Confira!

Trello

Se você ainda não conhece o Trello, saiba que ele é um dos aplicativos mais usados para organização pessoal — e até mesmo profissional. Nele, você consegue organizar suas metas, dividir as atividades por partes e acompanhar todas as tarefas. Essa ferramenta é incrível para gerenciar o seu dia a dia e não deixar que você fuja do seu planejamento pessoal. O Trello funciona como uma parede com vários post-its virtuais, com a facilidade de você ter esses lembretes com você a qualquer momento e em qualquer lugar.

Todoist

Esse aplicativo também é usado para organizar sua vida, já que é possível criar projetos pessoais e ter todas as suas tarefas reunidas em um único espaço. Ele pode ser sincronizado com a agenda do Google e você também tem a chance de compartilhar seu planejamento com terceiros — a ideia central é para equipes de trabalho, mas nada impede que você convide seu namorado, noivo ou marido para ajudar nas metas e conquistar o apartamento próprio, por exemplo.

Google Planilhas

Se você é amante de planilhas, o Google Planilhas é um grande aliado na hora de gerenciar as finanças e colocar tudo em ordem. Por lá, é possível criar listas, planilhas de despesas, de rendas e até mesmo do quanto você está juntando para comprar seu imóvel.

Google Agenda

Já mencionamos o Google Agenda pela sua relevância em auxiliar no dia a dia. Nele, você marca eventos, anota lembretes e pode usá-lo até como forma de saber quando pagar contas — assim, não existe chance de atrasar nenhum boleto ou contrair dívidas. Ele pode ser sincronizado com vários outros aplicativos, o que torna sua vida mais prática e todas as suas estratégias mais integradas para alcançar seus objetivos.

Guiabolso

Quando o assunto é controle financeiro, o Guiabolso é fundamental para organizar gastos. Com ele, você sincroniza sua conta-corrente, seus cartões e tudo mais o que está relacionado com o seu dinheiro. Desse modo, sua vida financeira pode ser visualizada de modo simples e otimizado com gráficos, ilustrações e outras funcionalidades do aplicativo. Depois de aprender como fazer um planejamento pessoal, você já está pensando em começar a preparar o seu? Com o que viu aqui neste conteúdo, é possível dar início a uma mudança fantástica em sua vida pessoal e financeira, para atingir o objetivo que quiser. Tenha disciplina, organização e foco, que o resto vem! Outra dica que não pode faltar é o hábito de se informar sempre sobre o que você deseja. Se o seu objetivo é, de fato, comprar um apartamento próprio, aproveite e assine a nossa newsletter para receber conteúdos interessantes sobre o tema!



Todos os direitos reservados Tenda 2019
CPNJ: 09.625.762/0001-58